Publicidade:

Baby led weaning: introdução à alimentação complementar

Baby led weaning é uma nova abordagem de introdução à alimentação complementar nos bebés, no entanto carece de alguma evidência científica. Saiba tudo.

 
Baby led weaning: introdução à alimentação complementar
Conheça as vantagens e desvantagens desta nova abordagem na introdução à alimentação complementar

Baby led weaning é um método alternativo de introdução complementar de alimentos. Esta abordagem tem vindo a ganhar popularidade em alguns livros, websites e blogues, no entanto a evidência científica desta prática é limitada.

Em que consiste o baby led weaning?


baby led weaning

O Baby led weaning é uma abordagem alternativa à introdução complementar de alimentos sólidos em crianças, onde estas alimentam-se por elas mesmas, com as próprias mãos, de todos os alimentos desde o início da alimentação complementar. É entendido como um desvio dos métodos tradicionais de introdução complementar de alimentos e contrasta com as recomendações das sociedades pediátricas de iniciar com purés, sopas e papas com a ajuda de uma colher e no ritmo estabelecido pelos pais (12).

Neste método os bebés apresentam controlo total da sua alimentação e estabelecem o ritmo da mesma. Os defensores desta abordagem referem que quando aplicada, os bebés desenvolvem melhor a autonomia e autorregulação da alimentação, diminuindo o risco de desenvolver obesidade e desenvolvendo uma relação mais saudável com os alimentos (23).

Baby led weaning: quando iniciar?


A abordagem do baby led weaning é realizada entre os 6 e os 9 meses, uma vez que a criança já tem a capacidade de estar na posição sentada, com reflexos de extensão e controlo da cabeça.

Nesta fase já apresentam movimentos de mastigação, abrem a boca em contacto com a comida e engolem-na, exploram as diferentes texturas, surgem os primeiros dentes e aparecem a coordenação motora fina e o aperto “em pinça”, sendo capazes de agarrar e levar os alimentos à boca (1).

Baby led weaning: como iniciar?


baby led weaning bebe a comer com as maos

Os alimentos apresentados devem ser adequadamente preparados em pedaços pequenos e moles para facilitar a alimentação feita pela própria criança, sem a ajuda de talheres e adultos.

baby led weaning destaca que os bebés devem ser apresentados a uma grande diversidade de alimentos sólidos, permitindo que escolha o quê, quando e quanto comem, compartilhando as refeições preparadas pela família, observando e aprendendo (23).

Vantagens do baby led weaning


A autoalimentação promovida pelo baby led weaning apresenta potenciais benefícios teóricos, tais como (1234):

  • Reforço dos laços familiares durante a refeição;
  • Aumento da autonomia do bebé;
  • Coordenação e desenvolvimento motor;
  • Desenvolvimento da fala;
  • Controle do apetite e auto-regulação da ingestão alimentar – reduzindo a possibilidade de desenvolver excesso de peso;
  • Encorajamento da ingestão de alimentos saudáveis – promovendo hábitos alimentares saudáveis;
  • Motivação para a ingestão de hidratos de carbono complexos e não de açúcares;
  • Diminuição do consumo de produtos processados;
  • Melhor aceitação das texturas dos alimentos.

Analisando os benefícios descritos, o baby led weaning é considerado pelos seus defensores, um método mais fácil de introdução de alimentos sólidos para os pais, diminuindo o estado de ansiedade por parte dos mesmos (1).

Desvantagens/preocupações do baby led weaning


Discutir os riscos teóricos associados a este método, torna-se mais importante do que as suas vantagens, uma vez que estes podem ser graves se a sua implementação não for adequada e supervisionada.

Destacam-se as seguintes preocupações a considerar (1234):

  • Aumento do risco de asfixia – muitas vezes confundido pelos pais como náusea;
  • Inadequada ingestão energética;
  • Ingestão insuficiente de nutrientes – levando a subnutrição e consequentemente atraso no crescimento;
  • Baixa ingestão de ferro – desenvolvendo anemias, devido à baixa ingestão de produtos fortificados em ferro (por exemplo, farinhas lácteas).

 

Baby led weaning: pontos importantes a considerar


baby led weaning mae com filhos a comerem

Caso esteja a equacionar esta prática de introdução complementar de alimentos, deverá ter em conta os seguintes pontos (3):

  • Assegurar que o seu bebé tenha mais de 6 meses e que esteja preparado para a autoalimentação;
  • Nunca deixar o seu bebé a comer sem a sua supervisão;
  • Certificar-se que o seu bebé está sentado corretamente (posição vertical) ao comer;
  • Não interferir com o ritmo da alimentação;
  • Introduzir alimentos cozinhados/moles (por exemplo, legumes cozidos);
  • Evitar alimentos que aumentem o risco de engasgamento (por exemplo, frutos secos, uvas, bolachas, vegetais crus);
  • Oferecer alimentos ricos em ferro a todas as refeições (por exemplo, carnes, ovos ou leguminosas);
  • Oferecer uma grande variedade de alimentos;
  • Evitar alimentos processados e alimentos com adição de sal e/ou açúcar.

De qualquer forma, os pais dispostos a seguir este tipo de abordagem devem apresentar um elevado conhecimento nutricional, nomeadamente na preparação dos alimentos de forma a que estes sejam seguros, saudáveis, adequados e nutritivos.

Uma vez que a qualidade metodológica dos estudos sobre o baby led weaning é geralmente muito baixa, tornando a evidência científica limitada e ambígua, é importante que recorra à opinião de um pediatra ou de um nutricionista antes de iniciar a introdução complementar de alimentos, tendo em vista garantir o correto crescimento e desenvolvimento do bebé.

Veja também:

Fontes

1. Romero-Velarde, E. et al. (2016). Guidelines for complementary feeding in healthy infants. Disponível em: 
https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2444340917000401
2. Pesch, M. et al. (2019). Baby-led weaning: Introducing complementary foods in infancy. Disponível em:
https://www.contemporarypediatrics.com/pediatrics/baby-led-weaning-introducing-complementary-foods-infancy

3. Anderson, L. et al. (2019). Practical tips for paediatricians: Baby-led weaning. Disponível em: 
https://academic.oup.com/pch/advance-article-abstract/doi/10.1093/pch/pxz069/5506903?redirectedFrom=fulltext
4. D’Auria, E. et al. (2018). Baby-led weaning: what a systematic review of the literature adds on. Disponível em:
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29724233

Nutricionista Luís Cristino Nutricionista Luís Cristino

Luís Cristino (CP. 3994N), é nutricionista licenciado em Ciências da Nutrição pela Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto em 2018. Atualmente exerce funções nas áreas da nutrição clínica e da otimização da performance desportiva.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].