Alimentação mista para cães: saiba tudo sobre esta alimentação

A alimentação mista para cães baseia-se na combinação da alimentação misturando o alimento seco e o húmido. Saiba mais sobre este tipo de alimentação.

Powered by: Vetecare
Alimentação mista para cães: saiba tudo sobre esta alimentação
Pode misturar comida seca e comida húmida na mesma refeição ou dar os alimentos separadamente.

A alimentação é um ponto-chave para garantir o bom desenvolvimento do seu cão, manter a sua saúde e aumentar a esperança média de vida. A nutrição correta passa pelo fornecimento de alimento seco, húmido ou fazer uma alimentação mista para cães.

Os prós de uma alimentação mista para cães


alimentacao mista para caes na gamela

Tanto a alimentação com ração seca como a alimentação húmida têm benefícios e contra-indicações, no entanto quando escolhemos algum tipo alimentação, devemos assegurar que esta seja saudável, nutritiva e adaptada às necessidades do seu cão, independentemente do tipo de alimento, estas são as características que uma boa alimentação deve ter.

Em caso de dúvida, deve sempre consultar o veterinário que pode garantir a melhor opção para o seu patudo. Com o Plano de Saúde Animal Vetecare, além de ter acesso a uma vasta rede de profissionais que o podem ajudar, tem ainda acesso a descontos em consultas de alimentação animal. Tudo isto e muito mais, por apenas 13€ por mês.

1. Satisfaz apetites mais caprichosos

Os alimentos húmidos, regra geral, são mais palatáveis. Produzem um cheiro mais intenso e os cães gostam mais. Podemos utilizar esta qualidade do alimento húmido para tornar a refeição mais apetecível, misturando-a com a ração seca, ou seja, fazendo uma alimentação mista para cães.

Se juntar um pouco de alimento húmido à ração habitual do seu cão, vai perceber que irá comer com maior vontade.

2. Favorece a sensação de saciedade

Por ser uma alimentação composta por uma mistura de dois alimentos, vai proporcionar ao seu cão uma maior sensação de saciedade através das diferentes texturas dos alimentos, e assim impedir que tenha tanta fome como se fizesse uma alimentação restrita apenas com húmidos ou secos.

3. Promove a saúde urinária

Uma alimentação baseada em apenas ração seca pode causar um défice de água no organismo. O alto teor da alimentação húmida vai proporcionar uma hidratação maior ao organismo do se cão, fazer com que aumente a ingestão de água e prevenir que tenha alguns problemas urinários como cálculos e infeções.

4. Facilidade de ingestão

Tanto em cachorros como em cães séniores, os grãos de ração seca pode ser difícil de mastigar. Se neste tipo de casos utilizarmos uma alimentação mista em cães, podemos facilitar a ingestão de alimento e assim proporcionar uma melhor qualidade de vida tanto no cachorro que está em desenvolvimento e necessita de ter uma boa nutrição, como no cão sénior.

Os contras de uma alimentação mista para cães


alimentacao mista para caes pug obeso

É importante salientar que nenhuma alteração à dieta deve ser feita sem consultar o seu médico veterinário. Apesar de a alimentação mista para cães ser benéfica, em alguns casos pode não ser aconselhada.

1. Pode contribuir para o aumento de peso

Ao oferecer uma alimentação mista é preciso calcular a ração com cuidado para não superar a quantidade recomendada. Para um cão de 5 kg, a quantidade de alimento seco deve ser reduzida em 30%para cada um quarto de lata de alimento húmido, por dia.

O importante é não cair no erro de duplicar a alimentação pois, uma sobredosagem contínua de alimento, pode contribuir para o ganho de peso do seu cão, levar à obesidade, problemas cardíacos e metabólicos como a diabetes.

2. Maior sujidade durante alimentação

Enquanto que o alimento seco causa menor sujidade nas gamelas e no local onde o seu cão se alimenta, uma alimentação mista para cães pode dar mais trabalho ao tutor, devido ao facto de ser necessário higienizar, a cada refeição, as gamelas e local da alimentação, pois o alimento húmido provoca uma maior sujidade e restos de alimentos que, se deixados ao ar, podem ser apelativos para insetos.

3. Fezes moles/ diarreia

Qualquer alteração no tipo de alimentação do seu cão deve ser bem ponderada e pedir sempre o aconselhamento do seu médico veterinário, pois mudanças bruscas no alimento podem provocar disbioses (alterações da flora intestina) e provocar diarreias ou fezes mais moles.

4. Preço

Regra geral, uma alimentação baseada em alimento seco é mais barata do que uma alimentação mista para cães. Se optar por este tipo de alimentação deve preparar-se para gastar um pouco mais com a alimentação do seu patudo.

O prazo de validade também é mais curto, e depois de aberto deve ser rapidamente utilizado ou já não será seguro dá-lo ao seu cão.

5. Maior tendência para ganhar tártaro

A ingestão de alimento húmido em maiores quantidades pode favorecer o aparecimento de um maior número de bactérias na boca do seu cão e, assim, contribuir para a formação de placas de tártaro. Assim, é importante que se optar por dar uma alimentação mista tenha cuidados redobrados em relação aos dentes do seu cão, como por exemplo fazer a escovagem dos dentes.

Alimentação mista para cães: como dar?


alimentacao mista para caes cao a comer

Para oferecer uma alimentação mista a cães podemos, na mesma refeição, misturar comida seca e comida húmida, ou podemos dar os alimentos separadamente em diferentes refeições. A maneira correta de o fazer irá depender de cão para cão, e deve sempre consultar o seu médico veterinário antes de fazer alguma alteração na dieta.

As refeições podem ser dadas duas a três vezes por dia, dependendo da forma como o seu cão está habituado, e para além do alimento deve sempre disponibilizar-lhe água.

Tente criar alguma rotina relativamente ao horário da alimentação do seu cão. As refeições devem ser dadas sempre, aproximadamente à mesma hora todos os dias, porque os cães são animais que gostam de ter rotinas.

Veja também:

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.