Publicidade:

Tudo o que deve saber sobre a alimentação da gata grávida

A alimentação da gata grávida é extremamente importante para garantir a saúde dos fetos. Conheça os cuidados a ter com a sua gata caso esteja gestante.

Tudo o que deve saber sobre a alimentação da gata grávida
As gatas apresentam mais apetite durante a gestação

A gravidez requer vários cuidados, e um deles é a alimentação. A alimentação da gata grávida é crucial para assegurar que terá capacidade para levar a gestação até ao fim sem problemas, os bebés vão crescer bem, conseguir amamentar e ter a força que necessita para o parto.

Gatas com uma boa condição corporal na altura do parto têm uma taxa de sobrevivência maior das crias, portanto a nutrição é de facto um fator importante a ter em consideração.

Alimentação da gata grávida: fases de gestação


alimentacao da gata gravida gata a comer

Dependendo da fase de gestação em que se encontra, a alimentação da gata grávida será diferente, pois as suas necessidades nutricionais e dos fetos também serão variáveis.

A partir do momento em que descobre que a sua gata está gestante, deve consultar o seu médico veterinário para que o aconselhe sobre todos os cuidados a ter, não só relativos à nutrição e alimentação mas também cuidados de desparasitação, vacinação, entre outros.

Primeiras 4 a 6 semanas

Ao contrário das cadelas, logo após o acasalamento as necessidades energéticas da gata aumentam, e portanto deve iniciar-se logo um aumento de quantidade de alimento.

As gatas, começam logo nesta fase de gravidez a acumular gordura criando reservas, que depois podem ser utilizadas no último terço da gravidez, período em que as necessidades energéticas são muito grandes, pois existe um maior crescimento fetal, e lactação. Assim, é muito importante que, logo no inicio da gestação, a gata comece a ingerir maior quantidade de matéria gorda.

Se for criador e o acasalamento for planeado, deve começar logo nessa altura a alterar a comida. Caso não seja premeditado e desconheça que a sua gata está grávida, logo que haja suspeita, leve-a ao médico veterinário para que seja realizado o diagnóstico e faça a alteração logo que tenha a confirmação.

No entanto, na consulta com o seu médico veterinário deve logo aconselhar-se sobre os cuidados a ter, nomeadamente, sobre a alimentação mais adequada.

O alimento mais adequado para este fase é a ração de gatinho, pois é mais calórica e mais rica em gordura, proteína e alguns minerais. A mudança de alimentação deve ser feita de forma gradual, sendo que pode começar por misturar uma pequena dose do alimento novo com maior quantidade do alimento habitual. Pode fazer uma mistura progressiva destes dois alimentos até ficar apenas o alimento novo.
Fazendo uma transição na alimentação gradual é menos provável que a gata tenha uma disbiose, ou seja alteração da flora intestinal, evitando assim que tenha episódios de diarreia.

A diarreia pode levar à desidratação e outros problemas que prejudicam os fetos, dessa forma é importante que qualquer alteração no alimento seja feita desta forma a qualquer animal, especialmente em gatas grávidas.

É igualmente importante que escolha uma ração de fácil digestão e com alto teor de palatabilidade para incentivar a gata a alimentar-se, apesar de nesta fase as gatas, ao contrário das cadelas, terem muito apetite.

Dê preferência a um alimento de gama premium, pois, por norma, contêm carnes desidratadas de fácil digestão e são mais apetecíveis para os gatos.

Últimas 2 a 3 semanas

Neste período o crescimento fetal vai ser maior, e desta forma a gata irá necessitar de mais energia. Uma parte da energia que vai utilizar é a que está armazenada sob a forma de gordura que armazenou nas primeiras semanas de gravidez.

Ainda assim, nesta fase a quantidade de alimento deve aumentar cerca de 10% a cada semana, chegando a 70% mais do que a sua dieta normal.

A ração pode ficar sempre disponível, pois os gatos, por norma, gostam de comer pouco de cada vez, em várias refeições.

Alimentação da gata grávida: amamentação


alimentacao da gata gravida gata a amamentar

Tão importante como a alimentação da gata grávida, é a alimentação durante a amamentação.

Depois do parto a gata pode pesar cerca de 20% mais do que o seu peso normal, devido às suas reservas de gordura acumuladas durante toda a gestação. A lactação é muito exigente a nível energético, por isso a ração para gatinhos deve continuar a ser dada à gata mãe até ao desmame.

Nesta altura, ao contrário do período de gestação, é normal que a gata perca o apetite, por isso é importante manter a ração sempre à disposição. Dê preferência a uma ração com alto teor de palatabilidade de forma a incentivar a gata a comer.

Caso a gata esteja com pouco apetite pode optar por fazer uma junção com alimentos húmidos, de preferência também indicados para gatinhos.

O desmame ocorre por volta das 6 a 7 semanas de idade dos bebés, e nessa altura deve começar, então, a fazer novamente uma transição de alimentação.

Desta vez a mudança será da ração de gatinho para a ração de gato adulto habitual. A transição deve ser realizada da mesma forma.
Caso a gata mãe, durante a amamentação, esteja a perder peso muito rapidamente, pode ser necessário manter a ração de gatinho durante mais algum tempo. A gata e os bebés devem sempre ser acompanhados pelo médico veterinário nesta fase e devem ser pesados diariamente para garantir que os bebés estão a ganhar peso e a mãe não está a emagrecer.

Fontes

1. Pregnant cats, Birth and Care of Young Kittens, 2013. Disponível em:
https://cats.org.uk/uploads/documents/cat-care-leaflets-2013/EG18_Pregnant_cats,_birth_and_care_of_young_kittens.pdf

 

Veja também:

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].