x

Alimentação em gatos de pelo longo: tudo o que precisa de saber

A alimentação em gatos de pelo longo deve ser cuidada, pois o estado do pelo é influenciado por vários fatores, incluindo o que os felinos comem.

Powered by: Vetecare
Alimentação em gatos de pelo longo: tudo o que precisa de saber
Sabe como cuidar do pelo do seu felino?

Existem vários fatores que podem influenciar o estado do pelo do felino, entre os quais os cuidados a higiene, a alimentação e a hidratação. Devemos ter alguns cuidados com o pelo dos gatos, sobretudo com o dos gatos de pelo longo. Assim a alimentação em gatos de pelo longo torna-se relevante.

Alimentação em gatos de pelo longo: razões para mau aspeto do pelo


alimentação em gatos de pelo longo

Sabemos que a alimentação em gatos de pelo longo deve ser tida em conta, pois é um dos fatores que mais influencia o estado do pelo. No entanto, existem várias razões que podem fazer com que o gato apresente uma pelagem com mau aspeto. Caso precise de orientação médica para o seu animal, saiba que a Vetecare  tem um plano de saúde animal com uma vasta rede de profissionais que pode ajudá-lo a cuidar do seu gato. Desde 13€ por mês para dois animais de companhia, pode poupar tanto no tratamento como na prevenção de problemas de saúde do seu melhor amigo. Saiba mais.

Doenças de pele

Gatos com problemas dermatológicos tendem a apresentar o pelo com um aspeto menos brilhante e muitas vezes com caspa também. As principais doenças de pele nos gatos são infeções fúngicas – como a dermatofitose – e bacterianas.

A maioria destas infeções leva a perda de pelo (alopécia), torna-o mais quebradiço e fraco. Também o prurido, comichão, característico das doenças pode levar a lesões na pele e pelo tanto com lamber excessivo como com as próprias unhas do felino.

Se perceber que o seu gato se coça intensamente, tem caspa, perda de pelo ou outro sinal deve levá-lo a uma consulta com o médico veterinário assistente, para que seja avaliado e diagnosticado o problema.

Parasitas

Os parasitas como as pulgas, ácaros e as carraças conferem um mau aspeto geral ao pelo do gato. Assim é muito importante a desparasitação regular conforme a indicação do seu médico veterinário.

Deve aconselhar-se com o médico veterinário acerca do produto mais indicado para o seu felino e, consoante os princípios ativos, a duração do efeito repelente é variável. Portanto, deve sempre confirmar, quando será necessário repetir a desparasitação.

Má higiene

A má higiene é um dos fatores mais importantes que condiciona o aspeto do pelo do gato. Por norma os gatos são animais limpos e higiénicos e limpam-se a si próprios, no entanto, se o gato andar em ambientes sujos pode não conseguir limpar-se de forma eficaz.

Gatos com pelo comprido, em especial, necessitam de cuidados extras com o seu pelo como escovagens regulares.

Doenças sistémicas

Os gatos passam grande parte do seu dia a lavarem-se, retirando a sujidade e colocando o seu próprio cheiro sobre si. Este é um comportamento natural e inato que se inicia logo em gatinhos. Quando o gato pára de se lavar é sinal de que algo errado se passa, o gato pode estar doente.

Gatos doentes costumam ter um pelo baço e com aspeto pouco sedoso, derivado ao facto de não fazerem a sua própria higiene.

Obesidade

Gatos obesos têm maior dificuldade em fazer a sua própria higiene, levando a que o pelo apresente um aspeto menos limpo e sedoso.

Alergias

As alergias também são frequentes nos felinos e podem manifestar-se através do aspeto do pelo e da pele.

Má nutrição

A alimentação em gatos de pelo longo é um dos fatores mais importantes para o aspeto da sua pelagem. Em diversas fases da sua vida, os gatos têm necessidades nutritivas diferentes, e portanto, é necessário que a alimentação fornecida seja o mais adequada possível.

Caso o gato sofra de carências nutritivas, como falta de algum mineral ou vitaminas, isso irá refletir-se no seu pelo que ficará sem brilho, pode cair em maior quantidade e ter caspa.

Stress

O stress e ansiedade nos gatos pode fazer com que estes se lambam mais do que o normal e arranquem o próprio pelo, podendo em algumas zonas do corpo ficar sem pelo.

Desidratação

O estado do pelo também está relacionado com a quantidade de água que o animal ingere. Um animal desidratado vai apresentar uma pelagem sem brilho e com aspeto “duro”. Portanto, para além da alimentação em gatos de pelo longo, também deve ter em consideração a quantidade de água ingerida.

5 Dicas para ter em consideração com a alimentação em gatos de pelo longo


alimentação em gatos de pelo longo

1. Opte por alimentos específicos para gatos

Alimentos para cães e alimentos de pessoas não são os mais indicados para o seu felino, em vários aspetos, tanto a nível de saúde, como na contribuição para o aspeto do pelo. Estes alimentos, por não serem adequados aos felinos, vão levar a grandes falhas nutritivas, o que irá refletir no pelo do animal.

O melhor será optar por rações ou alimentos húmidos específicos para felinos, pois estes alimentos, são confecionados tendo em consideração as necessidades vitamínicas dos gatos.

Carências nutritivas graves podem levar também a problemas de saúde, portanto, a alimentação é um fator importante a ter em consideração, não apenas pelo aspeto físico.

2. Opte por alimentos premium

Mesmo optando por alimentos específicos para gatos, nem todos são adequados e satisfazem as necessidades dos gatos. Muitos alimentos de baixa qualidade contêm grande teor em cereais o que vai levar a carências nutritivas, uma vez que os gatos são carnívoros.

Deve sempre considerar o teor em proteína da ração, pois este é um fator importante para perceber a qualidade do alimento. Quanto mais completo for o alimento do seu gato, melhor será o estado do seu pelo.

Em caso de dúvida, questione o seu médico veterinário acerca da melhor opção para o seu felino.

3. Atenda às necessidades nutricionais do seu gato

Os gatos, no geral, necessitam de determinados nutrientes, no entanto, os felinos podem dividir-se em subgrupos atendendo a vários fatores, como a idade, se estão esterilizados, têm alguma doença crónica e a raça.

Todos estes fatores irão condicionar as necessidades nutricionais do seu felino, e é necessário tê-los em consideração quando escolhemos a sua alimentação diária.

4. Adicione alimentos húmidos à dieta

Os alimentos húmidos têm vários benefícios, pois acrescentam água à dieta do animal, funcionando como um beneficio em vários aspetos, como por exemplo, em gatos com problemas urinários ajuda a diluir a urina. A hidratação também melhora muito o aspeto do pelo, tornando-o mais brilhante e sedoso. No entanto, a alimentação húmida tende a ser mais calórica e pode ser prejudicial para gatos obesos ou com tendência a engordar.

5. Administre suplementos (se necessário)

Existem vários suplementos sob a forma de comprimidos ou xarope que pode administrar ao seu gato ou simplesmente misturar no seu alimento diário.

Estes suplementos são, na sua maioria, à base de óleos de peixe, ajudando a manter uma pele e um pelo saudável. Estes óleos são ricos em ácidos gordos e podem também servir como tratamento de suporte para outras patologias (1).

Apenas deve administrar suplementos se for recomendado pelo seu médico veterinário. Em caso de dúvida, deve sempre questionar um profissional de saúde animal.

Veja também:

Fontes

1. “Therapeutic Uses of Omega Fatty Acids in Cats”. Indian Pet Journal – Online Journal of Canine, Feline & Exotic Pets. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/236002568_Therapeutic_Uses_of_Omega_Fatty_Acids_in_Cats

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.