Treino cardiovascular e os seus benefícios

O treino cardiovascular pode ser a forma de praticar exercício físico sem ter de aderir a um ginásio, conseguindo de igual forma manter a boa forma.

Treino cardiovascular e os seus benefícios
Um treino para todos!

O treino cardiovascular entra como uma hipótese de aumentar a sua qualidade de vida de forma simples e sem necessidade de custos adicionais. Como já é de conhecimento geral o exercício físico tem um papel importante para a qualidade de vida, saúde e prevenção de doenças na vida das pessoas.

Segundo a Organização Mundial de Saúde 30 minutos por dia serão suficientes para lhe proporcionar benefícios, quer psicológicos quer fisiológicos, ajudando na prevenção de doenças coronárias, controlo do peso, libertar do stress, controlar diabetes e tensão arterial, e pode fazê-lo de forma repartida: 10 minutos de manhã, 10 minutos à tarde e 10 minutos à noite a caminhar, correr, nadar, dançar, andar de bicicleta, etc.

Benefícios do treino cardiovascular


beneficios do treino cardiovascular

Os benefícios do treino cardiovascular abrangem várias áreas desde psicológicas a fisiológicas, além dos benefícios físicos que proporciona para a saúde. Muita gente encara este tipo de treino como uma “terapia”, seja a correr ou caminhar, é visto como um momento de descontração, para descarregar energias.

Vamos enumerar alguns dos benefícios do treino cardiovascular que ocorrem em diferentes sistemas, traduzindo-se em mudanças na performance:

Troque uma caipirinha por uma ida ao ginásio
Treine no Solinca por apenas 3,99€ por semana e volte a ficar em forma. Aproveite já!

  • Adaptações a nível cardiovascular no tamanho do coração, volume sistólico, frequência cardíaca, pressão arterial, etc.;
  • A nível respiratório: volume pulmonar, respiratória, ventilação pulmonar, diferença arterial-venosa;
  • Metabólicas: quantidade de mioglobina, tamanho das mitocôndrias, atividade das enzimas oxidativas, reservas de hidratos de carbono;
  • Neurológicas e musculares: tipo de fibra muscular recrutadas, sincronização das unidades motoras e hipertrofia seletiva;
  • Funcional: melhorias da performance, resistência à fadiga e melhoria da técnica desportiva, do transporte de oxigênio, da remoção dos subprodutos do metabolismo celular, da homeostasia em repouso e em esforço, das mudanças na dinâmica energética (gorduras, glicose, etc. ).

Existem diferentes métodos de treino cardiovascular, desde baixa a alta intensidade de curta a longa duração, podendo ser treino cardiovascular contínuo uniforme, fartlek, treino intervalado ou tolerância ao lactato, o importante é que se mantenha ativo e não contribua para o crescente número de pessoas sedentárias que a atualidade consta.

O ACSM recomenda a prática diária de intensidade de exercício entre 55 e 65% até 90% da  frequência cardíaca máxima, para populações normais sem fatores de risco.

Para população como idosos a intensidade deve ser mais baixa e ir aumentando gradualmente, as intensidades podem variar entre os 40 a 50% e até aos 70% do VO2 máx. Os hipertensos não deverão ultrapassar os 70% e os diabéticos os 85%.

Em suma


Hoje em dia o treino cardiovascular é visto como “vilão” por se defender que favorece a perda de massa muscular, ou por não ser eficiente na perda de massa gorda. No entanto, é importante que tenha uma mente aberta e que pense”nem tanto ao mar nem tanto à terra”.

Nem todos treinam para os mesmos objetivos e no que toca à promoção de bem-estar, o  treino cardiovascular pode ser uma excelente opção.

É fundamental que perceba o que funciona consigo, o que gosta de fazer e consegue fazer como rotina de forma a que a sua saúde e os seus objetivos beneficiem com isso.

Troque uma saída à noite por uma ida ao ginásio. Inscreva-se já no Solinca por apenas 3,99€ por semana!

Veja também:

Ler mais
Sara Tomás Sara Tomás

Sara Tomás, Personal Trainer, trabalha atualmente no Health club Welldomus Fitness and Spa. Colabora na Clínica Bússola da Saúde no Marco de Canavezes. Licenciada em Ciências do Desporto na Faculdade de Desporto da Universidade do Porto, pós-graduada em Atividade Física e Saúde pela mesma instituição. Pós graduada em Reabilitação em Medicina do exercício e Desporto pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.