Os principais tipos de esquizofrenia que deve conhecer

Os diferentes tipos de esquizofrenia são definidos de acordo com os sintomas apresentados pelo doente e ajudam a simplificar a compreensão da doença.

Os principais tipos de esquizofrenia que deve conhecer
A esquizofrenia ocorre em cerca de 1% da população mundial.

A esquizofrenia é uma das doenças mentais mais graves e incapacitantes, não só para o doente mas também para toda a sua rede de relações sociais e familiares. Há 5 principais tipos de esquizofrenia: paranóide; desorganizada; catatónica; indiferenciada; residual.

O que é a esquizofrenia?


esquizofrenia

A esquizofrenia é uma das doenças psiquiátricas mais graves e caracteriza-se pela presença de sintomatologia psicótica do tipo positivo (alucinações; delírios; comportamento desorganizado) e negativo (apatia; isolamento social; falta de prazer nas atividades).

A presença destes sintomas compromete de forma significativa o desempenho diário.

Com a progressão da doença pode surgir também a deterioração cognitiva, nomeadamente ao nível das capacidades de memória e atenção, o que agrava significativamente o grau de dependência da pessoa com esquizofrenia.

Representa uma grande mudança ao nível da personalidade, pensamentos, emoções, humor e comportamento. É uma doença grave, que leva o doente a confundir a realidade com fantasia, podendo ter consequências muito significativas no dia-a-dia.

Fases da esquizofrenia


mulher com duvidas

A esquizofrenia pode ser dividida em três fases:

  • Fase Prodrómica (com sintomas, mas ainda não se encontra na fase aguda): sintomas inespecíficos; sintomas nesta fase são variados, diversificando de pessoa para pessoa;
  • Fase Aguda: presença de sintomatologia positiva – delírios, discurso e comportamento desorganizados, alucinações;
  • Fase Residual: quando os sintomas positivos desaparecem ou são muito menos intensos.

Apesar de todos os esforços no sentido de clarificar o conceito de esquizofrenia existe, ainda hoje, uma grande dificuldade para explicar as principais causas que levam ao aparecimento desta patologia.

É uma das doenças psiquiátricas mais estudadas e mais desafiantes, devido à variedade de sintomas e diversidade das características clínicas encontradas entre diferentes pessoas. Esta heterogeneidade fez com que diferentes sistemas de classificação de doenças mentais sentissem a necessidade de criar diferentes tipos de esquizofrenia.

Estes vários tipos de esquizofrenia são compostos por distintos critérios de diagnóstico, de forma a tentar espelhar a diversidade de características da doença com que os profissionais de saúde se deparam diariamente.

Os tipos da esquizofrenia não são estanques, podendo um doente a determinado momento da evolução da sua doença, apresentar aspetos clínicos que se aproximem mais de uma forma de esquizofrenia e ao fim de algum tempo reunir critérios para outra.

Assim sendo, não podemos interpretar os sistemas de classificação de uma forma rígida, já que a esquizofrenia pode adotar várias formas de apresentação clínica e de evolução.

Recentemente, a última edição do Manual de Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais (5.ª edição) eliminou estas divisões, por considerar que eram frequentes os quadros clínicos em que os sintomas dos diferentes tipos de esquizofrenia apareciam associados ou se alternavam ao longo da vida da pessoa e não refletiam diferenças quanto ao curso da doença ou resposta ao tratamento.

Esta alteração é contestada por alguns autores, que consideram existir evidências da existência de subgrupos desta perturbação.

Tipos de esquizofrenia: características predominantes


Paranóide:

mulher paranoica

  • Forma da doença mais facilmente identificada;
  • Presença de ideias delirantes;
  • Alucinações caracteristicamente relacionadas ao conteúdo do tema delirante, principalmente as auditivas;
  • Funções cognitivas relativamente preservadas;
  • Afeto relativamente preservado;
  • Contacto com a realidade maior em comparação ao tipo desorganizado;
  • Tipicamente reservados, desconfiados, podendo em alguns casos revelar comportamentos agressivos.

Desorganizada:

ideias desorganizadas

  • Discurso desorganizado;
  • Comportamento desorganizado;
  • Afeto inapropriado/apagado;
  • Risos que não estão relacionados com o conteúdo do discurso;
  • Ideias delirantes embora presentes, não são organizadas nem sistemáticas;
  • Contacto com a realidade muito pobre;
  • Pode ocorrer irritabilidade significativa, em alguns casos associada a comportamentos agressivos;
  • Descuido da aparência e do comportamento social;
  • Comportamento estranho (desinibido; primitivo);
  • Frequentes alterações do rendimento cognitivo;
  • Inicia gradual e vagarosamente;
  • Evolução contínua, sem remissões significativas.

Catatónica:

homem com varias facetas

  • Um dos tipos de esquizofrenia mais raros;
  • Predomínio de alterações psicomotoras;
  • Imobilidade motora;
  • Atividade motora excessiva;
  • Negativismo extremo;
  • Mutismo;
  • Repetição de palavras/frases dita por terceiros;
  • Maneirismos ( movimentos do corpo, peculiares e repetitivos, exagerados ou despropositados);
  • Estereotipias (movimentos intencionais, repetitivos, estereotipados, sem finalidade);
  • Imitação dos movimentos de terceiros.

Indiferenciada:

mulher isolada

  • Reservado para aqueles doentes que não se enquadram em nenhum dos subtipos descritos ou apresentam sintomas de mais de um dos subtipos, sem predominância de nenhum deles.

Residual:

paciente negativa

  • Presença de sintomas residuais;
  • Predomínio da sintomatologia negativa;
  • Utilizado para descrever os períodos entre episódios, nos quais apenas continuam a estar presentes sintomas negativos;
  • Pode estar constantemente presente durante vários anos, com ou sem crises agudas.

Veja também:

Ana Graça Ana Graça

Mestre em Psicologia, pela Universidade do Minho, com a dissertação “A experiência de cuidar, estratégias de coping e autorrelato de saúde”. Especialização (Pós-Graduada) em Neuropsicologia Clínica, Intervenção Neuropsicológica e Neuropsicologia Geriátrica. Membro efetivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses, com especialidade em Psicologia Clínica e da Saúde e Neuropsicologia. Para além da Psicologia é apaixonada por viagens, leitura, boa música, caminhadas ao ar livre e tudo o que proporcione felicidade!