Crónica #27: diz que gravidez não é doença

Crónica #27: diz que gravidez não é doença

A minha gravidez sem pós de perlimpim

Ainda não estava grávida e já este “gravidez não é doença” me feria nas profundezas do fígado. Não será mas também não é um passeio no parque.

Até aqui, esta foi uma gravidez santa. Nem enjoos, nem azia, nem mau feitio, nem perdas de sangue, nem cólicas, nem dor abdominal aguda, nem pés enfiados nas costelas, nem nada de especial a assinalar. Mas agora que cheguei às 29 semanas, e já estou bem dentro do último trimestre, começam as surpresas menos agradáveis. Na verdade, já começaram há quase três semanas. Preparem-se para descrições gráficas.

Hemorróidas. Pum! Foi uma entrada a pé juntos mas está dito. Suponho que depois de 26 semanas sem maleitas de maior, é isto que me calha em rifa. Começou com um pequeno desconforto, uma ligeira ardência mas como já estava a tomar um comprimido para a insuficiência venosa, por causa das pernas inchadas e doridas, juntei uma pomada anestésica e assumi que a coisa não iria escalar por aí adiante. Mas escalou. 

Dois dias depois, recebi de brinde postas de sangue e algo que, ao toque, podia jurar que estava ao nível de uma bola de golfe mas em mole. Se calhar, está a começar a ficar grave, vou enviar e-mail à médica. Enquanto isso, peguei num espelho para ver as coisas down under… imaginem (ou não, estão à vontade!) um cordão umbilical fora do vosso corpo. É assim uma espécie de morcela de sangue mas com uma pele muito fina e translúcida, que deixa ver todas as nossas pequenas veias emaranhadas. Pronto. Esperem isto a qualquer momento. Quando cheguei à médica as palavras dela foram muito científicas … aicoitadinha! E pronto, dos dois comprimidos diários passei a seis e uma pomada mais potente.

Mais: dormir é penoso. Não consigo estar deitada em qualquer posição e a mais confortável é mesmo de barriga para cima mas, agora, o meu corpo cansa-se e sou forçada a virar-me várias vezes durante a noite. Acordo com dores na orelha, acham normal? De cada vez que me viro, apesar de ter engordado pouco mais de 6 kg, sinto que preciso de um guindaste e é fisicamente desafiante. Comer também é penoso porque tudo o que entra se transforma em azia. E puns involuntários. Também tenho puns involuntários. Ainda faltam 10 semanas.
 

Veja também: