Quando a ansiedade é uma doença: 5 técnicas para aliviar a ansiedade

A ansiedade e a preocupação fazem parte da nossa vida e podem ser úteis na resolução dos problemas. Mas quando são irracionais paralisam, desmotivam, aumentam a tensão e interferem no dia-a-dia. Se sente preocupação e stress desmedidos todos os dias, estas técnicas para aliviar a ansiedade são para si! Cuide de si e da sua saúde.

Quando a ansiedade é uma doença: 5 técnicas para aliviar a ansiedade
Estas dicas podem ajudar a levar uma vida mais feliz e saudável.

O futuro é imprevisível e, por isso, é normal que nos preocupemos com problemas inesperados que possam surgir e com a nossa capacidade para os resolver.

Sermos capazes de nos preparar mentalmente para situações que são importantes para nós é ótimo, ajuda-nos a enfrentar obstáculos e a alcançar o sucesso. Mas quando a preocupação aumenta desmedidamente e a ansiedade é intensa, podemos estar perante preocupações excessivas e irreais acerca do futuro, que causam tensão emocional e física, comportamentos de evitamento de pessoas, responsabilidades ou situações inofensivas.

Se a ansiedade dificulta o seu funcionamento diário talvez tenha chegado a altura de aprender algumas técnicas para aliviar a ansiedade.

Compreender a ansiedade


tecnicas para aliviar a ansiedade

A ansiedade é um problema psicológico que se traduz por um sentimento de insegurança ou medo sem fundamento real. Todos nós somos ansiosos em determinados momentos da vida sem que isso seja patológico. Existem, contudo, diferentes graus de ansiedade.

Para algumas pessoas, a ansiedade manifesta-se através de um sentimento de medo, inquietação, sensação de perigo iminente, medo de insucesso, medo de perder o auto controlo, medo de ficar mentalmente destabilizado. Em alguns casos, a ansiedade é ainda acompanhada por algumas manifestações físicas, tais como, boca seca, batimento cardíaco acelerado, transpiração e aperto do peito.

A ansiedade é uma reação normal a determinadas circunstância da nossa vida e funciona como um sinal de alarme do organismo. Quando está controlada, a ansiedade atua sobretudo como estimulante.

Quando a ansiedade é uma doença: 5 técnicas para aliviar a ansiedade


energia positiva

Por vezes, a ansiedade atinge uma intensidade excessiva, torna-se recorrente, persistente, inexplicável, desproporcional face ao estímulo, provoca um grande mal-estar físico e psicológico e interfere de forma significativa no dia-a-dia. Esta situação é considerada patológica e surge habitualmente no contexto de uma perturbação de ansiedade com indicação para tratamento especializado.

As técnicas para aliviar a ansiedade que são sugeridas abaixo podem ser utilizadas para abordar as suas crenças ansiosas, os seus comportamentos de evitamento e a tensão que sente no seu corpo nas situações de stress. A eficácia de cada uma delas depende do tipo de ansiedade e da gravidade dos problemas que enfrenta no momento:

1. Desafiar os pensamentos ansiosos

Muitos pensamentos são negativos e irracionais. Pode pensar que o pior vai acontecer mesmo não havendo uma base real que o comprove. Pode estar tão habituado a pensar no pior cenário possível que já não consegue pensar de outra forma. Se este é o seu caso, é importante que pare e desafie aquilo que acredita ser verdade, que desafie os seus medos e os seus pensamentos negativos.

De forma simples, precisa reciclar a sua forma de pensar e aprender a processar o que acontece à sua volta de forma diferente. Pergunte a si mesmo: “como é que sei quais os pensamentos ansiosos que estão baseados na realidade?”; “qual a probabilidade de que aquilo de que tenho tanto medo realmente aconteça?”; “será que não existe uma forma mais realista de pensar sobre o que vai acontecer?”; “como é que posso visualizar um resultado mas positivo?”.

2. Reconhecer os padrões de pensamento negativo que promovem preocupação, medo e ansiedade

Tenha cuidado com os pensamentos de tudo/nada, preto/branco, oito/oitenta e com a tendência para exagerar o negativo e diminuir o positivo. Entenda esta sua tendência para assumir sempre a catástrofe como sendo o resultado mais previsível e desafie esse cenário.

3. Aprender a tolerar a incerteza

Não importa o quanto se prepare para o futuro, haverá sempre algum evento imprevisível e incontrolável. Quanto melhor aceitar esta inevitabilidade mais fácil será lidar com as surpresas.

4. Cultivar o pensamento otimista

É possível aprender a pensar de forma mais otimista. Afinal de contas, é o único responsável pelos pensamentos que tem, por isso, assuma essa responsabilidade, a forma como encara a vida é escolha sua.

Fortaleça as suas memórias positivas, concentre-se de forma rotineira em informações positivas e desvie a atenção daquilo que é mais negativo. Sinta-se grato por tudo quanto alcançou na vida, saboreie os bons momentos e pare de minimizar os seus sucessos.

5. Dedicar algum tempo a cuidar de si

Atividades de relaxamento e lazer são essenciais para uma vida plena e equilibrada. Se isso é estranho para si, talvez seja mesmo hora de começar a programar na sua agenda atividades que tirem o seu foco das preocupações: pratique a respiração diafragmática e o relaxamento muscular progressivo; vá fazer uma massagem; pondere praticar yoga ou fazer caminhadas; ouça aquelas músicas de que mais gosta; ligue a um amigo e desfrute de tempo de qualidade.

Adote um estilo de vida mais saudável: coma bem; pratique exercício físico com regularidade; durma bem.

Em conclusão…


Pode ler todos os conselhos anti-ansiedade do mundo e conhecer todas as técnicas para aliviar a ansiedade, mas nada disso importa se não agir. Para se sentir menos ansioso e para dormir tranquilamente à noite tem que se comprometer com algumas estratégias diárias. Quanto mais se comprometer, melhor você se sentirá.

Veja também:

Psicóloga Ana Graça Psicóloga Ana Graça

Mestre em Psicologia, pela Universidade do Minho, com a dissertação “A experiência de cuidar, estratégias de coping e autorrelato de saúde”. Especialização (Pós-Graduada) em Neuropsicologia Clínica, Intervenção Neuropsicológica e Neuropsicologia Geriátrica. Membro efetivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses, com especialidade em Psicologia Clínica e da Saúde e Neuropsicologia. Para além da Psicologia é apaixonada por viagens, leitura, boa música, caminhadas ao ar livre e tudo o que proporcione felicidade!