Stevia e outros adoçantes na voz da nutricionista Alexandra Bento

Stevia e outros adoçantes na voz da nutricionista Alexandra Bento

A entrevista com a nutricionista Alexandra Bento

O que tornou a Stevia um dos adoçantes mais em voga? Perguntámos à Dr.ª Alexandra Bento, nutricionista. Eis as respostas.

Fazer uma alimentação saudável já não tem de ser monótono e pouco apetecível. Com as mais variadas opções alimentares disponíveis no mercado, temos um leque muito abrangente de produtos interessantes do ponto de vista nutricional que podemos incluir no nosso dia a dia. No entanto, são cada vez mais os produtos dietéticos que contém adoçantes e, aqui, as dúvidas quanto ao seu consumo são das mais variadas.

A Stevia tem vindo a ganhar lugar no mercado, como sendo um adoçante natural, sem calorias, e uma ótima alternativa aos açúcares adicionados. Quisemos saber mais sobre os adoçantes e a Stevia em particular, pelo que esclarecemos algumas dúvidas com a nutricionista Alexandra Bento. Ora veja.

Stevia: esclarecimentos da nutricionista Alexandra Bento

 

 1.  Estamos cada vez mais conscientes dos efeitos nefastos que o consumo excessivo de açúcares simples provoca no nosso      organismo, a longo prazo. Que outras soluções temos a nível de produtos alimentares?

  Quando consumimos o açúcar de adição em excesso e no contexto de uma alimentação desequilibrada, pode trazer consequências para a  saúde.

  A Organização Mundial da Saúde recomenda que o consumo diário de açúcar de adição não ultrapasse 10% das calorias ingeridas diariamente  (cerca de 50g de açúcar por dia). Mas maiores benefícios para a saúde podem ser alcançados se o consumo diário de açúcar for reduzido para  5% das calorias ingeridas (cerca de 25g de açúcar por dia).

No entanto, existem algumas alternativas mais saudáveis, que ajudam a combater o consumo excessivo de açúcar de adição, entre as quais adoçantes.

Grande parte dos adoçantes disponíveis no mercado oferecerem o sabor doce sem as calorias associadas ao açúcar. Isto é, como são necessárias pequenas quantidades para induzir o sabor doce, a sua contribuição energética é muitas vezes insignificante em comparação com o açúcar.

2.  Os adoçantes são cada vez mais utilizados em produtos light e dietéticos, como substitutos do açúcar. Em indivíduos com patologias como diabetes, ou que estejam simplesmente a seguir uma dieta hipocalórica, por exemplo, o consumo de produtos alimentares com adoçantes artificiais é mais frequente. A longo prazo, quais os problemas que podem advir desse consumo mais elevado de adoçantes?

O segredo para evitar problemas associados ao consumo de açúcar e de adoçantes está na moderação. Isto significa que podemos consumir algum açúcar de adição e adoçantes, desde que não sejam ultrapassadas as doses recomendadas.

Por outro lado, também é importante estar atento à rotulagem dos alimentos que ingerimos para saber a sua composição nutricional e não ultrapassar as doses recomendadas.

3.  A Stevia tem vindo a tornar-se cada vez mais popular dentro do grupo dos adoçantes. Porquê?

Entre as várias alternativas ao açúcar, nomeadamente na categoria dos adoçantes, a Stevia é uma das opções mais saudáveis, por ser um adoçante natural, que contém glicosídeos de esteviol, que têm um sabor até 300 vezes mais doce que o açúcar e que não fornecem calorias.

4.  Qual a vantagem da Stevia em relação a todos os outros açúcares ou adoçantes?

A Stevia é um adoçante natural, com uma contribuição energética insignificante. Devido ao seu elevado poder adoçante são necessárias pequenas quantidades para atingir o nível de doçura desejado. Embora não substitua o açúcar naturalmente presente nos alimentos, é um excelente substituto do açúcar de adição.

Para além de poder ser uma ajuda eficaz no controlo do peso, a Stevia não aumenta os níveis de glicose no sangue e, por isso, é adequada para os diabéticos.

5.  Existe uma dose diária recomendada para a ingestão de Stevia ou outros adoçantes?

Os adoçantes (ou edulcorantes) só podem ser usados na alimentação após rigorosa avaliação por instituições científicas competentes, nomeadamente o Comité Científico da Alimentação Humana (CCAH), a European Food Safety Authority e o Joint FAO/WHO Expert Committee on Food Additives (JECFA).

Esta avaliação envolve a análise de estudos idóneos de toxicidade aguda e crónica, estudos metabólicos, de reprodução, mutagenicidade e carcinogenicidade. Na análise dos dados toxicológicos estabelece-se ou corrige-se o valor da Ingestão Diária Admissível (ADI), expresso em mg/kg peso/dia. Este parâmetro é uma estimativa da quantidade de aditivo que poderia ser consumida todos os dias, durante toda a vida, sem risco significativo para a saúde.

Em relação à Stevia, os ensaios in vivo e in vitro não sugerem genotoxicidade nem atividade carcinogénica, não havendo ADI. Quanto a outros edulcorantes, a título de exemplo a ADI da sucralose é 15 mg/Kg peso/dia; a da sacarina é de 2,5 mg/kg peso/dia e a do aspartame é de 40 mg/kg peso/dia.
6.  Além da Stevia, que outras alternativas de adoçantes naturais podemos encontrar?

Os adoçantes naturais são extraídos de fontes naturais, como plantas, podem apresentar maior ou menor poder adoçante que o açúcar e por norma são menos calóricos. Os adoçantes artificiais são produzidos através de processos industriais específicos, grande parte deles tem poder adoçante muito maior que o açúcar e nenhumas ou quase nenhumas calorias.

Para além da Stevia há outros adoçantes naturais como os poliálcoois (sorbitol, xilitol) e o mel.
7.  Onde e sob que forma podemos comprar Stevia?

A Stevia pode ser adquirida na forma líquida, em pó ou pastilhas e pode ser encontrada em alguns alimentos e bebidas, como é o caso de uma gama de néctares de baixas calorias adoçada apenas com Stevia.

Veja também: