A soja faz mal?

A soja faz mal?

Saiba mais sobre este alimento de origem vegetal.

Quer saber se a soja faz mal? Quer saber um pouco mais sobre os possíveis efeitos do consumo de soja e dos seu produtos? Veja mais aqui.

O número de pessoas a querer saber se a soja faz mal tem aumentado recentemente.

A soja é utilizada na alimentação asiática há milhares de anos de forma regular, mas ultimamente o seu consumo tem vindo a ganhar força no “Ocidente”.

Isto pode dever-se a vários fatores, como, por exemplo, por haver uma maior consciencialização ambiental - maior número de pessoas a diminuir/eliminar o consumo de produtos de origem animal -, ou pela polémica gerada em volta do leite e dos seus derivados, que são muitas vezes substituídos por produtos de soja.
 
Devido a este aumento de “popularidade”, importa esclarecer quais os possíveis efeitos do consumo de soja e dos seus produtos, nomeadamente a nível da saúde.
 

Soja e doença cardiovascular


doenca cardiovasculares

Pensa-se que a soja pode ajudar na redução do risco de doença cardiovascular. Algumas explicações encontradas para este facto incluem estes dois mecanismos:
 
  1. Reduz a capacidade do fígado de produzir colesterol de forma endógena
  2. É normalmente ingerida em vez de alimentos com um elevado teor de gordura, como carnes ou leite e derivados “gordos”
A maioria dos produtos de soja são naturalmente baixos em gorduras saturados e contribuem para a ingestão de gorduras insaturadas, que por sua vez ajudam na redução do colesterol LDL (“mau”).

Tudo para manter a forma
Tenha acesso às melhores dicas de nutrição! Receba já conteúdo exclusivo!
Estes benefícios, quando combinados, podem ajudar na redução do colesterol até cerca de 10%, se o consumo de proteína de soja estiver entre 15-25g por dia (aproximadamente 2 copos de bebida de soja, por exemplo).

Estudos também realçam os benefícios de combinar a proteína de soja com outros alimentos de origem vegetal, como frutos oleaginosos, esteróis vegetais ou aveia ou cevada - ricos em fibra solúvel.

Dependendo nos tipos e quantidades de alimentos consumidos, os níveis de colesterol podem atingir uma redução de 12-24%.

Alguns estudos de pequena dimensão mostram que as isoflavonas presentes na soja podem ajudar a melhorar a flexibilidade e funcionalidade de vasos sanguíneos importantes.

Isto, por sua vez, pode inibir o desenvolvimento de arteriosclerose e de trombose, dois processos chave no desenvolvimento de doença cardiovascular. Mais estudos estão a ser desenvolvidos nesta área.
 

Soja e sintomas da menopausa


Muitas mulheres que atravessam a fase da menopausa experienciam hot flushes (“calores”), que se acredita serem o resultado de flutuações no sistema de regulação de temperatura do cérebro, como consequência da diminuição da produção de estrogénio.

Cerca de 75% mulheres no Ocidente experienciam este sintoma, o que contrasta com a pequena percentagem de 20 % de mulheres japonesas e chinesas.

Estas, por sua vez, tem uma alimentação baseada em produtos de soja. O grupo das mulheres asiáticas consome cerca de 14-40mg de isoflavonas por dia, cerca de 10-20 vezes mais do que as mulheres ocidentais.

A terapia de substituição hormonal continua a ser o tratamento mais eficaz dos sintomas da menopausa.

Contudo, vários estudos mostram que consumir cerca de 50-80mg de isoflavonas provenientes da soja diariamente, durante 8-12 semanas pode ajudar a diminuir a frequência e a severidade dos hot flushes em cerca de 25% (em mulheres que experienciem este sintomas pelo menos 5 vezes por dia).

Pondo em prática, 50mg de isoflavonas podem ser atingidos ao consumir 2 a 3 porções de produtos de soja diariamente. Uma perda de estrogénio aumenta o risco de doença coronária com os níveis de colesterol a registarem subidas em cerca de 25%.

Consumir 2 porções de soja de forma diária pode ajudar na redução do colesterol e no controlo dos hot flushes.
 

Soja e cancro


cancro da mama

Muitos países com consumo elevado de soja têm uma baixa taxa de certos cancros, incluindo cancro da mama e cancro da próstata.
 

Cancro da mama

Em 2012, o American Institute for Cancer Research (AICR) reportou que não existe nenhuma indicação de que consumir produtos de soja faz com que o risco de cancro da mama aumente, ou que produtos de soja não são indicados para pessoas em risco de cancro da mama, pacientes com cancro da mama ou sobreviventes ao cancro da mama.

De facto, a última revisão do AICR menciona que, em alguns casos, as isoflavonas presentes na soja podem efetivamente diminuir o risco e cancro.

Alguns estudos sugerem que uma exposição longa (a vida toda) de soja e exposição às isoflavonas – especialmente antes e durante a puberdade – pode proteger contra o desenvolvimento do cancro da mama.

Outros estudos sugerem que as isoflavonas da soja podem reduzir o risco de recidiva em sobreviventes ao cancro da mama.
 

Soja e saúde óssea


Alguns estudos encontraram uma relação entre uma saúde óssea melhorada e a ingestão de soja, especialmente em mulheres asiáticas.

Mais, pessoas que consomem soja regularmente parecem ter uma densidade óssea mais elevada e taxas mais baixas de fratura quando comparadas com pessoas com baixa ingestão de soja.

A investigação nesta área é algo contínuo e para já a intervenção dietética não é considerada um substituto para medicação para “anti osteoporose”.
 

Controvérsias – a soja faz mal?


Apesar dos potenciais benefícios da ingestão de soja, existem algumas controvérias associadas a estes produtos, que fazem com que a pergunta “A soja faz ma?” surja com alguma frequência.

Os produtos de soja têm um longo registo de segurança em populações asiáticas, onde a soja é consumida de forma regular desde há milhares de anos.

Indicações de potenciais efeitos negativos das isoflavonas só foram demonstrados em laboratórios e em estudos realizados em roedores onde foram utilizados níveis elevados de isoflavonas – tais resultados nunca foram demonstrados em humanos.

A segurança da soja tem sido meticulosamente estudada.
 

Alguns supostos problemas da soja…


… na saúde masculina:

Aqui surgem bastantes dúvidas e várias fontes de (des)informação, afirmando que a soja faz mal à “masculinidade”.
 
Porém, estudos têm sidos consistentes em demonstrar que consumir produtos de soja não aumenta os níveis de estrogénio, não altera o equilíbrio nem reduz as concentrações de testosterona nos homens.

Mais, nenhum efeito adverso na fertilidade ou saúde sexual foi demonstrado.
 
 


… saúde tiroidea:

Uma das últimas revisões de vários estudos confirmaram que não existem efeitos negativos resultantes do consumo de produtos de soja em indivíduos saudáveis.
 
Contudo, pessoas com hipotiroidismo podem continuar a ingerir produtos de soja, mas devem discutir este assunto com o médico e manter os valores monitorizados. Isto deve-se ao facto de as isoflavonas da soja poderem interferir com a absorção das hormonas tiroideas sintéticas que são dadas através da medicação destes pacientes.

Um estudo recente indicou que as isoflavonas da soja podem piorar a condição de indivíduos com uma hormona com baixa atividade.

Resumindo, este pode ser um dos casos em que a soja faz mal, ou que potencialmente pode fazer. Se é o seu caso, consulte o seu médico especialista antes de começar/continuar com o consumo de produtos de soja.
 

Soja em substituição de lacticínios


leite de soja

As alternativas ao leite e derivados baseados em soja são isentas de lactose e são apropriadas para crianças acima dos 6 meses de idade e para adultos com intolerância à lactose ou com outras reações adversas ao leite de vaca.

Aqui, torna-se importante escolher produtos de soja (nomeadamente “leite de soja” e iogurtes de soja) fortificados com cálcio, especialmente se estes estiverem a substituir o leite e/ou derivados na alimentação.
 

Para memorizar…


  • Estudos e investigação relativos à soja e aos seus produtos são algo contínuo. Para já, pode afirmar-se que a soja é um alimento nutritivo, seguro e saudável
  • Apresenta potenciais benefícios para a saúde, nomeadamente na redução do colesterol LDL e alguma sintomatologia da menopausa
  • A investigação feita até à data sugere que a soja pode ser consumida por todos os membros da população, incluindo homens e mulheres com cancro da mama
  • Em último lugar, a soja também pode ajudar na obtenção de uma alimentação mais baseada em produtos de origem vegetal, auxiliando na redução da ingestão de produtos de origem animal – o que, por sua vez, pode ajudar o ambiente e contribuir para a sustentabilidade alimentar
Resumindo, parece que se pode concluir que a resposta à questão “A soja faz mal?” é negativa.

Contudo, nunca é demais reiterar que isto são recomendações gerais e que para se aconselhar de forma personalizada deve consultar um nutricionista ou dietista.
 
Saiba as melhores dicas para ficar em forma !

 

Veja também: