Será que pílula engorda?

Será que pílula engorda?

7 alternativas à pílula.

A sua pílula engorda? Sente desconforto, enxaquecas ou vómitos? Fique a conhecer cinco alternativas anticoncecionais.

A pílula surgiu em 1960 e, a partir daí, o mundo nunca mais foi o mesmo. Desde esse mesmo dia, a emancipação da mulher tornou-se uma realidade e a pílula é, ainda hoje, o contracetivo mais vendido no mundo. Porém, a polémica veio a reboque e são muitos os mitos e problemas associados à toma da pílula. Apesar dos estudos assegurarem que a pílula não engorda, muitas mulheres garantem que a pílula é a razão dos quilos a mais na balança, das enxaquecas, vómitos, entre outros sintomas. Outras mulheres não podem tomar este contracetivo por questões de saúde. 


Tipos de pílula


Pílula combinada

A  pílula combinada contém as hormonas estrogénio e progesterona. Podem ser monofásicas, bifásicas e trifásicas. As  monofásicas têm a mesma quantidade de progesterona e estrogénio em casa comprimido. As restantes, mudam a quantidade em diferentes momentos do ciclo.

Minipílula

As minipílulas apenas têm progesterona e apresentam menos efeitos secundários do que as pílulas com estrogénio.



5 Alternativas à pílula



1. Dispositivo intrauterino (DIU)

O DIU é um dispositivo que só pode ser colocado no útero por um médico. É eficaz, seguro e pode ser usado entre três a cinco anos. Não é aconselhado para mulheres que nunca tenham tido filhos. É possível que tenha menstruações mais abundantes. Pode optar entre o DIU com cobre ou o DIU com hormona que ajuda a reduzir o fluxo. 

2. Preservativo

É a opção mais eficaz para prevenir doenças sexualmente transmissíveis, no entanto, por ter uma proteção inferior à pílula, os médicos aconselham o uso do preservativo associado a outro método.

3. Método billings

Desenvolvido pelos médicos John e Evelyn Billings, validado pela Organização Mundial de Saúde, este método é eficaz e tem ajudado milhões de famílias por todo o mundo. Com base no muco cervical feminino, é possível saber em que dias deve evitar a atividade sexual - no caso de não querer engravidar. Sem contraindicações. 

4. Diafragma

O diafragma é um dispositivo de borracha, com um aro flexível, que quando colocado na vagina, impede que os espermatozoides cheguem ao útero. Deve falar com o seu médico para que avalie o tamanho da sua vagina e recomende o diafragma adequado. É colocado antes das relações sexuais e só pode ser retirado seis horas depois. É necessário o uso, em simultâneo, de um espermicida. 

5. Adesivo contracetivo

Este adesivo é tão eficaz quanto a pílula. É colocado em cima da pele, no abdómen, nas nádegas, no dorso superior ou no antebraço e liberta hormonas para a corrente sanguínea, impedindo a ovulação. Usa durante três semanas e descansa uma. A vantagem: não se esquece de tomar o anticoncecional. A desvantagem: tem os mesmos efeitos secundários que a pílula.

6. Implante dérmico

O implante é colocado por baixo da pele e liberta, de forma gradual e contínua, uma substância que impede a ovulação. Ao fim de algum tempo, provoca alterações no seu ciclo e pode deixar de ter menstruação Quando retirado, a normalização é quase imediata.

7. Anel vaginal

Como a pílula, é um contracetivo hormonal com estrogénios e progestagénio. O anel é colocado na vagina, por si, uma vez por mês. Como a pílula ou o adesivo, permanece na vagina durante três semanas, descansa uma. O anel não interfere nas relações sexuais.

Seja qual for o seu motivo, não avance para nenhuma das alternativa sem, primeiro, conversar com o seu médico. Ele saberá qual a mais adequada para si.


Veja também: