Tenho placenta anterior! E agora?

Se tem placenta anterior saiba que esta é uma situação frequente e que não representa qualquer risco para si ou para o desenvolvimento saudável do seu bebé.

Tenho placenta anterior! E agora?
Esta situação não representa risco para mãe e bebé.

A placenta é um orgão materno-fetal que se desenvolve no primeiro trimestre da gravidez. A sua função é permitir trocas entre a circulação sanguínea da mãe e do bebé, fornecendo nutrientes e hormonas vitais (estrogénios, progesterona, gonadotropina coriónica e hormona lactogénica) para a manutenção e evolução da gravidez.

Chama-se placenta anterior quando esta se implanta na parte da frente do útero.

Placenta anterior: o que é?


A placenta desenvolve-se quando o ovo fertilizado se fixa nas paredes do útero. Mediante a posição em que esta se encontra pode dividir-se em 4 classificações: anterior, posterior, fúndica ou lateral.

Novidades Vertbaudet
Aproveite os melhores preços em roupas para pré-mamãs, bebés e crianças, brinquedos, puericultura e muito mais! Espreite já esta oportunidade.

Normalmente, a placenta localiza-se na parte posterior do útero. Quando estamos perante uma placenta anterior, significa que esta se encontra na parte anterior do útero, ou seja, na sua parede da frente. Esta condição não afeta o crescimento e desenvolvimento do bebé, uma vez que este continua bem acomodado pela placenta.

Quais são as causas e os sintomas para a placenta anterior?


ecografia no primeiro trimestre da gravidez

Não existe uma causa concreta para a placenta anterior. Isto apenas significa que a sua localização é entre a parede frontal do útero e o bebé. É uma situação comum e não causa qualquer complicação para a mãe ou para o bebé.

Quais são os sintomas?

Não existem sintomas que indiquem que a grávida apresenta uma placenta anterior. Esta situação normalmente é detetada na primeira ecografia da gravidez.

O único incoveniente que a placenta anterior pode ter é que os movimentos do bebé serão percepcionados um pouco mais tarde do que nas grávidas com outro tipo de placenta. Uma vez que a placenta se encontra entre o bebé e a parede da frente do útero, os movimentos fetais são amortecidos. Isto faz com que seja mais difícil sentir o bebé mexer.

Contudo, é importante saber que, caso não sejam sentidos quaisquer movimentos do bebé até às 24 semanas de gestação, é recomendado que a grávida consulte o médico.

Perante esta condição, os movimentos do bebé podem ser sentidos apenas no fundo ou nos lados da barriga. Os profissionais de saúde podem ter mais dificuldade em identificar o batimento cardíaco do bebé, pelo que as grávidas não se devem alarmar quando este não é logo detetado.

Quais são os riscos da placenta anterior?


placenta anterior e mae e bebe saudaveis

Ter uma placenta anterior não representa qualquer risco para a saúde da mãe ou do bebé. Pode apenas representar alguma inconveniência uma vez que os movimentos e batimento cardíaco do bebé tornam-se menos perceptíveis.

Contudo, se a placenta está localizada numa zona muito baixa do útero pode bloquear parcial ou totalmente o colo do útero – esta condição é conhecida como placenta prévia. Se for este o caso, é necessária a realização de uma cesariana.

É normal que a placenta mude de local conforme a gravidez vai evoluindo. Uma placenta que se encontre numa posição baixa nas primeiras semanas de gravidez pode mover-se para uma posição mais alta conforme as semanas vão passando, fazendo com que não tenha qualquer interferência no parto.

Considerações finais


Apesar de, normalmente a sua fixação ser na zona posterior do útero, a placenta anterior é uma situação muito comum. É uma condição que não interfere com a saúde da mãe nem com o desenvolvimento do bebé.

Apresenta o único inconveniente de tornar mais difícil de sentir os movimentos do bebé. No caso de estes não serem sentidos até às 24 semanas de gestação, é recomendado que a grávida consulte o médico.

Novidades Vertbaudet: roupinhas pré-mamã, bebé e criança aos melhores preços. Veja tudo aqui!

Veja também:

Ler mais
Isabel Silva Isabel Silva

Isabel Silva é enfermeira por paixão, licenciada pela Escola Superior de Enfermagem do Porto. Sempre quis seguir a área da saúde e acredita que a informação é uma ferramenta essencial para a saúde da população, e que cabe aos profissionais de saúde transmiti-la de forma relevante e fidedigna para que cada indivíduo seja capaz de tomar decisões importantes relativamente à sua saúde e ao seu bem-estar.