Oniomania: o impulso incontrolável de fazer compras

Oniomania: o impulso incontrolável de fazer compras

A oniomania é uma perturbação que tem vindo a crescer nos últimos anos.

Transtorno obsessivo compulsivo. Será que é mesmo? A oniomania está associada à incapacidade de controlo dos impulsos, afetando maioritariamente as mulheres entre os 30 e os 40 anos.

Quantas vezes teve vontade de se mimar e de comprar algo só para levantar a moral ou aliviar o stress e as frustrações do dia-a-dia? 

É verdade que provavelmente já todos cometemos excessos pontuais ou fizemos compras menos racionais: compramos algo porque o desejamos apesar de não ser necessário, para seguir uma moda, para transmitir uma determinada imagem ou para aparentar um certo estatuto social. Mas há pessoas para quem as compras compulsivas se tornam uma doença. E tem um nome: oniomania. Já ouviu falar?
 

A incapacidade de controlar os impulsos


A oniomania, também conhecida como compra compulsiva ou adição às compras, está relacionada com o transtorno obsessivo compulsivo, mas esta é uma questão que tem gerado muita discussão, não havendo uma uniformidade de critérios de diagnóstico.
Proteja a sua saúde!
Receba conteúdos exclusivos e habilite-se a um check-up completo. Registe-se já!


Neste momento, o DSM-IV (Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais), enquadra-a no grupo das perturbações do controlo dos impulsos.

Tal como nas outras perturbações do controlo de impulsos, os compradores compulsivos apresentam algumas características semelhantes, como tensão precedente, impulsos repetitivos aos quais é difícil resistir, bem como uma sensação de alívio e gratificação durante o ato que acaba muitas vezes depois por se transformar em remorsos.

Este transtorno obsessivo compulsivo tem vindo a crescer nos últimos anos e afeta maioritariamente o sexo feminino. Segundo vários estudos, a compulsão por compras atinge na maioria das vezes mulheres jovens, entre os 30 e os 40 anos, iniciando-se por volta dos 20 anos.

Contudo, nos últimos anos houve um acréscimo desta dependência no sexo masculino. Apesar de não haver números concretos, há especialistas que acreditam que 10 por cento da população mundial é compradora compulsiva.

 

Da euforia ao sentimento de culpa…


O comprador compulsivo, também conhecido por shopaholic ou oniomaníaco, é alguém que age mediante impulsos irresistíveis. É incapaz de controlar o seu desejo de comprar e adquire, muitas vezes, coisas que nem sequer necessita ou não usa.

Recorre às compras para se libertar da pressão diária e procuram a gratificação imediata, de forma a aliviar as emoções mais dolorosas, como por exemplo, a ansiedade, dor, tristeza ou frustração. Muitas vezes a compra é também usada como uma forma de tentar preencher um vazio interior que se sente. 

E até o consegue fazer no imediato, no momento em que efetua a compra. Mas logo a seguir surge a culpa, a tristeza e a frustração. Tal como acontece com a dependência do jogo, das drogas ou do álcool, o shopaholic vive uma montanha-russa de sensações: da euforia inerente à compra passa imediatamente para a desilusão, o vazio e o sentimento de culpa.

Sempre que uma compra é efetuada, a pessoa vive uma sensação de recompensa psicológica, que se assemelha ao efeito das drogas no cérebro. Há uma segregação de doses elevadas de dopamina (neurotransmissor responsável pelo prazer), que proporciona uma sensação de bem-estar ou de diminuição de tensão, e funciona como estímulo para a repetição contínua do ato de comprar. Contudo, quando não consegue realizar a compra, há uma sensação de angústia, irritabilidade e mal-estar que a invade. 

Associado à oniomania pode estar um conjunto de características pessoais que incluem o perfeccionismo, a impulsividade, a necessidade de controlo e a baixa autoestima. 

 

Um problema com consequências nefastas


Geralmente, esta dependência só é assumida como um problema numa fase avançada da doença, em que afetam a vida e o dia-a-dia da pessoa. Pode causar sérios problemas de ordem financeira, levando as pessoas a negligenciarem a família, os amigos, o trabalho ou outras áreas que colocam em risco a estabilidade da sua vida pessoal.

Mas há boas notícias para os que sofrem com este transtorno obsessivo compulsivo. A compulsão por compras pode ser tratada através de acompanhamento psicoterapêutico.

Para além de ajudar a pessoa a reconhecer que está perante um comportamento de dependência, esta abordagem vai dar-lhe as ferramentas necessárias para lidar com essa compulsão e diminuir a ansiedade. Em alguns casos pode ser recomendada a toma de medicação.
 


Veja também: