Linfócitos baixos: causas e sintomas

Linfócitos baixos: causas e sintomas

Há várias explicações para as defesas do organismo estarem em baixo.

Os linfócitos baixos significam que o corpo humano não está a ser protegido a 100%. É importante perceber o porquê.

Os linfócitos são as células responsáveis por defender o organismo de corpos estranhos que lhe possam ser prejudiciais.

Constituem 20 a 30% do sangue, ou seja, por cada mililitro de sangue, uma pessoa deve ter entre 1000 a 4000 linfócitos.

Alterações nestes valores podem significar que o corpo não está a ser bem protegido.

► No caso dos linfócitos altos, pode conhecer melhor as razões aqui.

No caso dos linfócitos baixos, explicamos agora.
 

LINFOCITOPENIA, O QUE É?


Proteja a sua saúde!
Receba conteúdos exclusivos e habilite-se a um check-up completo. Registe-se já!

Os valores dos linfócitos são obtidos através das análises ao sangue.

Quando as análises indicam linfócitos baixos (situação denominada por linfocitopenia), pode significar que alguma doença está a provocar este padrão, mas também pode simplesmente ser consequência de medicamentos e tratamentos ou de alguma situação passageira.

Independentemente da razão que leva aos linfócitos baixos, é importante que se resolva imediatamente porque isto significa que as defesas do corpo estão em baixo e portanto a susceptibilidade a doenças é muito mais elevada.
 


LINFÓCITOS BAIXOS: CAUSAS


A linfocitopenia acontece porque o corpo não está a produzir linfócitos suficientes, porque os linfócitos produzidos podem ficar presos no baço ou até mesmo porque embora sejam produzidos em quantidades suficientes, estão a ser destruídos.

Existem várias explicações para os linfócitos apresentarem níveis mais baixos, estas são só algumas delas:

 
  • Infeções (dengue, sarampo, febre tifoide, malária, tuberculose, entre outros);
     
  • Fisiológicas: significa que não há razão para os valores dos linfócitos serem mais baixos nem sequer há alguma doença associada, simplesmente os valores normais referem-se à grande maioria da população, mas pode haver algumas exceções;
     
  • Períodos de muito stress;
     
  • Doenças da medula óssea (leucemias, linfomas, mielofibrose, anemia plástica, entre outros);
     
  • Doenças hepáticas (cirrose hepática, hepatites);
     
  • Doenças autoimunes (lupus, artrite reumatoide, HIV);
     
  • Doenças da tiroide ou do baço;
     
  • Efeitos do uso de alguns medicamentos;
     
  • Falta de folato e/ou vitamina B12;
     
  • Alcoolismo;
     
  • Desnutrição;
     
  • Hemodiálise;
     
  • Radio e quimioterapia.
 


LINFÓCITOS BAIXOS: SINTOMAS


Fraqueza, cansaço ou perda de peso são alguns sintomas que podem surgir. Mas a maioria das vezes os linfócitos baixos não provocam quaisquer sintomas e só são por isso detetados em análises de rotina ao sangue.

Noutros casos, os sintomas que se fazem sentir não são diretamente dos níveis baixos de linfócitos, mas sim da doença que está a causar essa situação:

 
  • No caso de uma doença genética, podem surgir gânglios linfáticos ou amígdalas mais pequenas;
     
  • Tosse e febre podem ser sintomas se a causa for uma infeção respiratória;
     
  • Doenças autoimunes como lúpus ou artrite reumatoide, podem originar inchaços e dores nas articulações, assim como algumas erupções cutâneas;
     
  • O aumento dos gânglios linfáticos e do baço podem ser sintomas em caso de HIV.
 


Veja também: