Hipotiroidismo subclínico: quais os riscos de não tratar

O hipotireoidismo subclínico é uma alteração frequente, definida como uma condição assintomática, com níveis séricos elevados da hormona estimulante da tiróide (TSH) e níveis normais de tiroxina livre.

Hipotiroidismo subclínico: quais os riscos de não tratar
Pode representar o estágio inicial de uma deterioração progressiva da função tiroideia.

O hipotiroidismo subclínico ocorre em 3% a 8% da população em geral. É mais comum nas mulheres do que nos homens, e a sua prevalência aumenta com a idade.

A implicação mais importante é a alta probabilidade de progressão para o hipotiroidismo clínico. A possibilidade de ser um fator de risco cardiovascular tem sido objeto de debate.

Assim, a medição da TSH sérica é o teste necessário para o diagnóstico de hipotiroidismo subclínico quando os níveis de hormona da tiróide periférica estão dentro dos níveis de referência.

QUAIS SÃO OS SINTOMAS DO HIPOTIROIDISMO SUBCLÍNICO?


hipotiroidismo subclinico e fadiga cronica

É uma condição frequente no ambulatório, muitas vezes assintomática ou com sintomas subtis e inespecíficos tais como:

  • Disfunção sexual;
  • Fadiga crónica;
  • Mialgia (dores musculares);
  • Sintomas psiquiátricos;
  • Disfunção cognitiva leve.

 

HIPOTIROIDISMO SUBCLÍNICO E DISLIPIDEMIA


colesterol e doenca coronaria

A associação entre hipotiroidismo subclínico e o aumento dos níveis séricos de colesterol total e lipoproteína de baixa densidade (LDL) é conhecida há mais de seis décadas.

O papel do hipotiroidismo como fator de risco para doença arterial coronariana também já foi estabelecido. As hormonas tiroideias podem influenciar quase todas as fases do metabolismo lipídico, com efeitos nas células adiposas (de gordura) e hepatócitos (células hepáticas).

HIPOTIROIDISMO SUBCLÍNICO E RISCO CARDIOVASCULAR


problemas cardiovasculares

As hormonas da tiróide são moléculas reguladoras das ações metabólicas (metabolismo) e hemodinâmicas (circulação sanguínea). As células musculares cardíacas podem, assim, ser afetadas por variações na função tiroideia

HIPOTIROIDISMO SUBCLÍNICO E DISTÚRBIOS PSIQUIÁTRICOS


mulher com depressao

Entre as manifestações psiquiátricas descritas em pacientes com hipotiroidismo subclínico encontram-se os distúrbios do humor, atenuação da resposta terapêutica ao tratamento com anti-depressivos, além de vários graus de défice cognitivo.

Alguns estudos relataram que os pacientes apresentaram maior incidência de sintomas neuropsiquiátricos, incluindo depressão e diminuição da memória, que eram melhoradas após a reposição hormonal.

O HIPOTIROIDISMO SUBCLÍNICO DEVE SER TRATADO?


medicacao para o tratamento da doenca

O objetivo de um possível tratamento consiste em evitar a progressão para a doença clinicamente manifesta, melhorar o estado sintomático de disfunção tiroidiana e, por consequência, levar ao bem estar e a qualidade de vida dos pacientes.

Assim, os benefícios do tratamento com levotiroxina de baixa dose podem superar os danos de atrasar o tratamento até que a condição se torne sintomática, exigindo doses mais elevadas.

O consenso entre a American Thyroid Association, American Association of Clinical Endocrinologists e The Endocrine Society recomendou o tratamento do hipotiroidismo subclínico caso os níveis de TSH sejam superiores a 10 mUI/mL.

Os riscos associados à reposição hormonal no hipotiroidismo subclínico devem ser sempre ponderados. Deve ter-se em atenção o risco de agravar disfunções em pacientes com doença coronária estabelecida, arritmias ou insuficiência cardíaca subjacente, principalmente na população idosa.

O tratamento é realizado com levotiroxina matinal em jejum e deve ser iniciado dependendo da idade, do grau de disfunção tiroideia e das condições gerais de saúde do indivíduo.

Veja também:

Farmacêutica Cátia Rocha Farmacêutica Cátia Rocha

Cátia Rocha é farmacêutica. Como apaixonada pela profissão, acredita na importância da educação para a saúde e num papel interventivo dos profissionais de modo a transmitir conhecimentos que considera importantes e fundamentais para o bem-estar da população. É Mestre em Ciências Farmacêuticas pelo Instituto Superior de Ciências da Saúde do Norte e exerce atualmente o cargo de farmacêutica na Farmácia Agra.