Glaucoma: quando a pressão intra-ocular aumenta demasiado

O glaucoma é uma doença oftálmica grave que surge quando há lesão do nervo ótico, devido ao aumento da pressão ocular. Em Portugal, cerca de 70 mil pessoas sofrem deste problema.

Glaucoma: quando a pressão intra-ocular aumenta demasiado
Esta doença ocular é uma das principais causas de cegueira no mundo ocidental.

Uma das principais causas de cegueira no Ocidente é o glaucoma. É um problema ocular grave que surge associada a um aumento da pressão intra-ocular.

Segundo a Direção Geral de Saúde, em Portugal, aproximadamente 200 mil pessoas apresentam hipertensão intra-ocular e destas cerca de um terço sofre de glaucoma. Aproximadamente 6 mil pessoas podem desenvolver cegueira irreversível ou degradação grave do campo visual.

O que é o glaucoma?


glaucoma e teste de pressao ocular

O glaucoma consiste num grupo de doenças oculares que danificam o nervo ótico, responsável por levar as informações visuais do globo ocular até ao cérebro. Na maior parte dos casos, as lesões provocadas no nervo ótico estão associadas ao aumento da pressão intra-ocular.

No globo ocular existe um líquido – o humor aquoso. Este líquido é produzido continuamente no processo ciliar, sendo transportado para a região posterior da córnea e câmara interior, zona anterior da íris.

O glaucoma surge quando existe alguma obstrução que impede a drenagem normal do humor aquoso. Isto faz com que haja um aumento da pressão intra-ocular, provocando lesões no nervo ótico.

Existem 4 tipos de glaucoma:

  • Glaucoma de ângulo aberto ou crónico;
  • Glaucoma de ângulo fechado ou agudo;
  • Glaucoma congénito;
  • Glaucoma secundário.

Glaucoma de ângulo aberto

Neste tipo da doença, o humor aquoso drena muito devagar a partir da câmara anterior e a pressão intra-ocular aumenta gradualmente. Isto provoca lesão no nervo ótico e perda progressiva da visão.

Sintomas:

  • Diminuição da visão periférica;
  • Dores de cabeça;
  • Perturbações visuais (ver halos à volta da luz elétrica ou apresentar dificuldade para se adaptar à escuridão);
  • Visão em túnel (estreitamento dos campos visuais, tornando-se difícil ver objetos dos lados ao olhar em frente).

Glaucoma de ângulo fechado

Este problema provoca ataques de aumento de pressão, normalmente num só olho. Nos indivíduos que padecem desta doença, o espaço entre a íris e a córnea (por onde drena o líquido) é mais estreito do que o normal. Qualquer fator que faça com que haja dilatação pupilar pode obstruir a passagem do humor aquoso.

O glaucoma de ângulo fechado é uma emergência médica, dado que em poucos dias pode provocar cegueira.

Sintomas:

  • Agravamento da visão.
  • Halos de cor à volta da luz elétrica;
  • Dor ocular;
  • Dor de cabeça.

Em poucas horas pode surgir um agravamento dos sintomas:

  • Perda da visão;
  • Dor aguda no olho, pulsátil e súbita;
  • Náuseas e vómitos;
  • Edema da pálpebra;
  • Olho vermelho e lacrimejante;
  • Pupila dilatada e com pouca resposta à luz intensa.

Glaucoma secundário

Esta condição surge associado a vários fatores:

  • Inflamação.
  • Infeção;
  • Catarata de grandes dimensões;
  • Tumor;
  • Uveíte;
  • Lesões oculares;
  • Obstrução da veia oftálmica;
  • Hemorragia intraocular;
  • Cirurgia ocular;
  • Alguns medicamentos, como os corticosteróides, por exemplo.

Glaucoma congénito

É uma doença de origem hereditária. Está presente desde que o bebé nasce e resulta do anormal desenvolvimento dos canais de circulação do humor aquoso no globo ocular.

Sintomas:

  • Aumento de um olho ou de ambos os olhos;
  • Olho vermelho;
  • Sensibilidade à luz;
  • Lacrimejo.

 

Como se trata o glaucoma?


colirio como tratamento

O tratamento deve ser iniciado o mais rapidamente possível, para ser plenamente eficaz e evitar que hajam graves lesões do nervo ótico. Por este motivo, é fundamental que haja um diagnóstico precoce feito pelo oftalmologista, pois apenas ele pode detetar as anomalias no nervo ótico e alterações do campo visual. Para além do aumento da pressão intra-ocular, esses sinais são essenciais para verificar a presença de glaucoma.

Atualmente, existem vários tratamentos para este problema. Na maior parte dos casos, o tratamento é feito através da administração de colírios com o objetivo de controlar a pressão intra-ocular. Este é um tratamento bastante simples e eficaz, desde que seja realizado regularmente.

O tratamento a laser ou a cirurgia também podem ser realizados como alternativa ao tratamento medicamentoso.

O tratamento mais adequado é feito com base na avaliação realizada pelo oftalmologista, tendo em conta as características que a doença apresenta e a individualidade de cada um.

Veja também:

Isabel Silva Isabel Silva

Isabel Silva é enfermeira por paixão, licenciada pela Escola Superior de Enfermagem do Porto. Sempre quis seguir a área da saúde e acredita que a informação é uma ferramenta essencial para a saúde da população, e que cabe aos profissionais de saúde transmiti-la de forma relevante e fidedigna para que cada indivíduo seja capaz de tomar decisões importantes relativamente à sua saúde e ao seu bem-estar.