Exames e rastreios no 1º trimestre de gravidez

O 1º trimestre da gravidez é vivido com alguma ansiedade pelos futuros pais. Os exames e rastreios no 1º trimestre de gravidez permitem avaliar o bem-estar da mãe e do bebé.

Exames e rastreios no 1º trimestre de gravidez
A DGS recomenda a realização de rastreios no 1º trimestre de gravidez.

Durante a gravidez são necessários cuidados de saúde acrescidos, para salvaguardar a saúde da mãe e do bebé. Os exames e rastreios no 1º trimestre de gravidez têm como objetivo avaliar o bem-estar da mãe e do bebé, e detetar precocemente problemas que possam interferir na normal evolução da gravidez.

Ainda que exista um conjunto de exames de rotina que devem ser realizados durante a gestação, os cuidados de vigilância devem ser específicos para cada grávida. Quando são detetados fatores de risco como diabetes ou hipertensão, a grávida necessita de cuidados de saúde específicos adaptados ao seu caso e de uma vigilância mais apertada.

Quais são os exames e rastreios no 1º trimestre de gravidez?


exames e rastreios no 1 trimestre de gravidez

A primeira consulta de saúde da grávida deve ser realizada, obrigatoriamente, no primeiro trimestre da gravidez. Nesta altura, são feitos uma série de análises e exames de rotina. É realizado um exame do estado de saúde geral da grávida bem como um exame ginecológico, através de uma citologia cervical, ou papanicolau. É ainda fornecido o Boletim de Saúde da Grávida onde serão registados todos os dados clínicos relativos à saúde da mãe e do bebé.

Novidades Vertbaudet
Aproveite os melhores preços em roupas para pré-mamãs, bebés e crianças, brinquedos, puericultura e muito mais! Espreite já esta oportunidade.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) recomenda que sejam realizados rastreios analíticos no primeiro trimestre de gravidez, nomeadamente:

  • Análises de avaliação do estado geral de saúde da grávida (hemograma, glicemia em jejum e função renal);
  • Tipagem sanguínea, com identificação do grupo sanguíneo e fator Rh;
  • Análises imunológicas (toxoplasmose, rubéola, hepatite B e C, VIH entre outros);
  • Avaliação de fatores infeciosos, através de análise da urina.

Para além das análises sanguíneas, é também realizada a primeira ecografia da gravidez. Os principais objetivos desta ecografia são:

  • Avaliar se o local de fixação do saco gestacional é intra-uterino ou ectópico;
  • Verificar a viabilidade do embrião;
  • Determinar a idade gestacional através da medição do comprimento crânio-caudal (CCC) do embrião;
  • Determinar a data provável para o parto (DPP);
  • Determinar o número de embriões;
  • Avaliar a anatomia fetal através da análise dos ossos e órgãos do embrião para despistar cromossomapatias;
  • Diagnosticar malformações congénitas através da medição da translucência da nuca e da presença dos ossos do nariz.

 

Rastreio combinado


Entre os exames e rastreios no 1º trimestre de gravidez, o rastreio combinado é o que mais receios provoca aos futuros pais.

Este exame permite detetar alterações cromossómicas no bebé logo no início da gestação.

Consiste na combinação de 2 exames:

  • Análise bioquímica ao sangue materno;
  • Ecografia do 1º trimestre.

Análise bioquímica ao sangue materno

analise bioquimica ao sangue materno

A análise bioquímica ao sangue materno deve ser realizada entre as 9 semanas e as 13 semanas e 6 dias da gestação. É um exame não invasivo e simples, não apresentando risco para a saúde da mãe ou do bebé.

É feito através da colheita de uma amostra de sangue da mãe, onde circula o ADN do bebé, para avaliar a existência de B-HCG livre e PAPP-A.

Ao analisar a amostra de sangue materno, é isolado o material genético do bebé do material genético da mãe. Assim, é possível analisar somente o material do bebé e obter os seus dados exclusivos.

A análise bioquímica pode ser classificada em dois grupos de resultados:

  • Rastreio positivo: alto risco;
  • Rastreio negativo: baixo risco.

Ecografia do 1º trimestre

ecografia do 1 trimestre

Neste exame ecográfico são analisados vários indicadores relativos ao desenvolvimento da gravidez e do bebé. Esta ecografia é, normalmente, realizada entre as 9 semanas e as 13 semanas e 6 dias da gestação.

Um dos fatores examinados é a medida da translucência da nuca. A medida da translucência da nuca varia conforme o comprimento crânio-caudal do bebé (CCC). Quando os valores desta medida se encontram altos, existe a probabilidade do bebé sofrer de anomalias cromossómicas.

Se o resultado do rastreio combinado for positivo, os futuros pais são aconselhados a realizar exames como a biópsia das vilosidades coriónicas ou amniocentese. Estes exames de diagnóstico complementar têm como objetivo confirmar se o bebé é portador, ou não, de anomalias cromossómicas e, se sim, determinar qual é e em que medida essa anomalia poderá afetar a sua vida.

No entanto, tanto a amniocentese como a biópsia das vilosidades coriónicas têm associado um risco de aborto (0,5 a 1%). Como tal, a decisão de realizar ou não estes exames complementares cabe sempre aos pais, aconselhados pelo seu médico.

Os exames e rastreios no 1º trimestre de gravidez são fundamentais não só para determinar o estado de saúde da mãe e do bebé, mas também para avaliar se a gravidez está a desenvolver de acordo com o esperado.

Novidades Vertbaudet: roupinhas pré-mamã, bebé e criança aos melhores preços. Veja tudo aqui!

Veja também:

Ler mais
Isabel Silva Isabel Silva

Isabel Silva é enfermeira por paixão, licenciada pela Escola Superior de Enfermagem do Porto. Sempre quis seguir a área da saúde e acredita que a informação é uma ferramenta essencial para a saúde da população, e que cabe aos profissionais de saúde transmiti-la de forma relevante e fidedigna para que cada indivíduo seja capaz de tomar decisões importantes relativamente à sua saúde e ao seu bem-estar.