Diabetes na infância: reconheça os sintomas e aprenda a lidar com ela

A diabetes na infância é uma condição cada vez mais frequente, sendo a doença do sistema endócrino mais frequente nesta faixa etária.

Diabetes na infância: reconheça os sintomas e aprenda a lidar com ela
Encontre no nosso artigo tudo o que precisa de saber sobre a diabetes na infância.

A Diabetes Mellitus é a doença do sistema endócrino mais frequente na infância e adolescência.

Se até aqui a diabetes na infância se limitava à diabetes tipo 1, agora assiste-se a um número crescente de casos de diabetes tipo 2 nesta faixa etária.

O que é a diabetes?


A diabetes é uma doença caracterizada por hiperglicemia crónica (aumento do açúcar no sangue), a qual resulta de uma deficiência na secreção de insulina, de uma alteração na sua ação ou, ainda, de ambas, resultando num metabolismo anormal dos hidratos de carbono, das gorduras e das proteínas.

Plano de Saúde Grátis
Cuide da sua saúde. Obtenha consultas de clínica geral, medicina dentária e especialidade médicas gratuitas.Peça aqui o seu plano grátis.

Dependendo da causa subjacente, esta doença é dividida em dois grandes tipos: diabetes tipo 1 e diabetes tipo 2.

A primeira, que é a mais frequente na infância, é uma doença autoimune, na qual o próprio sistema imune destrói as células produtoras de insulina. Por esse motivo, é também chamada de insulino-dependente, uma vez que a sobrevivência da criança depende da administração de insulina exógena.

A diabetes tipo 2, conhecida como diabetes não insulino-dependente, é a forma mais frequente no adulto, podendo também surgir na infância e adolescência, sobretudo em crianças que apresentam obesidade e com elevados níveis de sedentarismo.

Fatores de risco para o desenvolvimento de diabetes na infância


diabetes na infancia e hereditariedade

Apesar de existirem crianças que sofrem de diabetes mellitus tipo 1 sem terem outro familiar próximo com a doença, em cerca de 80% dos casos existe uma componente hereditária na origem desta.

De facto, quando um dos pais ou irmão tem a doença, o risco de aparecimento da diabetes mellitus tipo 1 aumenta de 0,4% para 4 a 6%. Este risco será ainda maior se ambos os pais forem afetados ou se o irmão for gémeo.

Além da hereditariedade existem outros fatores de risco para desenvolvimento desta doença em indivíduos geneticamente suscetíveis, nomeadamente a exposição precoce dos lactentes ao leite de vaca e infeções por determinados vírus.

Neste último caso, o organismo confunde as células virais com as células do pâncreas e, na tentativa de eliminar o vírus, acaba por destruir as próprias células (doença auto-imune).

A presença de outras doenças auto-imunes, como a doença celíaca ou Lúpus, aumenta também o risco do aparecimento da diabetes mellitus tipo1.

Já os fatores de risco para o aparecimento da diabetes mellitus tipo 2 são a obesidade, o sedentarismo e a história familiar deste tipo de diabetes.

Sinais e sintomas de diabetes na infância


diabetes na infancia e sintomas

Como referido, a diabetes mellitus tipo 1 é a forma mais frequente na criança. A apresentação típica é:

  • Poliúria (aumento da vontade de urinar);
  • Polidipsia (aumento da sensação de sede);
  • Polifagia (aumento da sensação de fome);
  • Emagrecimento;
  • Letargia;
  • Fadiga.

A cetoacidose diabética (excessiva produção de corpos cetónico como consequência da ausência de glicose nas células) pode manifestar-se precocemente de um forma leve, com o hálito com odor a acetona, vómitos, poliúria e desidratação e, nos casos mais graves, através de dor abdominal e alteração do estado de consciência até ao coma.

Por outro lado, a prevalência de diabetes tipo 2 na criança tem aumentado de forma considerável nos países desenvolvidos, acompanhando o aumento da obesidade nesta faixa etária.

Para além da obesidade, os sintomas passam também pela poliúria e polidipsia, embora menos marcada do que na diabetes tipo 1, sendo frequentemente assintomática. O seu diagnóstico é efetuado no contexto de análises pedidas, na maioria dos casos, por outros motivos.

> Conheça aqui mais sobre os sintomas na diabetes.

Diagnóstico de diabetes na Infância


diabetes na infancia e diagnostico

Perante a presença dos sintomas clássicos da doença, uma glicemia (nível da glicose no sangue) ocasional igual ou superior a 200 mg/dl faz o diagnóstico de diabetes.

Em casos mais graves podem existir corpos cetónicos na urina (cetonúria), que, apesar de isoladamente não fazerem o diagnóstico, complementam o resultado da glicemia elevada, refletindo maior gravidade da situação.

Também faz o diagnóstico desta doença quem apresenta uma glicemia em jejum igual ou superior a 126 mg/dl ou igual ou superior a 200 mg/dl 2 horas após a ingestão de alimentos, em duas ocasiões diferentes.

A prova de tolerância oral à glicose não se faz por rotina, estando reservada para situações de forte suspeita clínica com glicemia em jejum normal ou quando a glicemia em jejum é superior a 100 mg/dl e inferior a 126 mg/dl.

Tratamento da diabetes em crianças


 

tratamento da diabetes na infancia

Dependendo da forma de apresentação da diabetes mellitus tipo 1, das condições socio-económicas da criança, pode iniciar-se o tratamento em regime ambulatório ou de internamento.

A cetoacidose, a expressão mais grave da diabetes tipo 1, é uma das situações que justificam uma intervenção emergente. Depois de tratada a cetoacidose (geralmente após 12 a 36 horas), inicia-se a alimentação oral e administração de insulina.

A monitorização dos níveis de glicemia é feita regularmente, com os devidos ajustes nas doses de insulina e é estabelecido um plano alimentar, de acordo com as necessidades e com as preferências da criança. O exercício físico regular deve também ser parte integrante do tratamento.

Para além da prescrição do tratamento com insulina e do plano alimentar, é muito importante ensinar e educar as crianças e os pais de conhecimentos sobre a diabetes, que lhes permitam ajustar as doses e tipo de insulina, alimentação e atividade física, de modo a terem glicemias o mais constantes e próximas do normal.

Neste contexto, é também crucial explicar que não existem alimentos proibidos, nem mesmo alimentos com açúcar. O importante é que seja algo esporádico, nunca feito em contexto isolado e que, de seguida, seja ajustada a insulina e a restante alimentação.

Além disso, é importante que a criança ande sempre prevenida e tenha insulina sempre consigo para administrar em situações mais graves.

Na diabetes tipo 2, a correção do excesso de peso e o aumento da atividade física são medidas importantes, sendo necessária medicação complementar com anti-diabéticos orais em alguns casos.

Conclusão


A diabetes na infância é uma doença crónica, que exige uma co-responsabilização no tratamento por parte da criança e da sua família.

Para além de problemas agudos, como agravamento de infeções ou episódios de hipoglicemia (diminuição dos níveis de açúcar no sangue), complicações a nível da visão, da função renal, neurológicas e psicológicas também podem ser frequentes.

A vigilância deve ser feita por equipas multidisciplinares e tem como objetivo tentar que estas crianças tenham uma doença o mais normal possível e que o seu crescimento e desenvolvimento sejam dentro dos parâmetros e valores saudáveis.

Cuide da sua saúde. Consiga aqui consultas de clínica geral, medicina dentária e especialidade médica gratuitas!

Veja também:

Rita Lima Rita Lima

Rita Lima é nutricionista e trabalha, atualmente, nos ginásios Urban Fit de Ermesinde, Antas Prime Fitness e CulturaFit Club no Porto. Durante 2 anos colaborou no projeto Dragon Force do Futebol Clube do Porto e com o Boavista Futebol Clube. É licenciada em Ciências da Nutrição pela Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto e frequentou o Curso de Nutrição no Desporto na mesma faculdade.