Os 7 sintomas principais dos dentes a nascer

O nascimento do primeiro dente é um marco importante que os pais aguardam ansiosamente. No entanto, os dentes a nascer podem provocar desconforto no bebé.

Os 7 sintomas principais dos dentes a nascer
Os dentes a nascer provocam um grande desconforto.

O nascimento do primeiro dente do bebé é um marco importante que os pais aguardam com muita ansiedade. O primeiro dente assinala o começo de cuidados redobrados que se vão estender por toda a vida. Todo este processo dos dentes a nascer provoca muitas dúvidas e receios nos pais.

Este assunto é frequentemente abordado nas consultas de pediatria do bebé. Os cuidados com a saúde oral devem ser iniciados o mais precocemente possível, para evitar possíveis complicações no futuro.

Quando é que os dentes começam a nascer?


dentes a nascer como surgem

O primeiro dente surge, em média, pelo sexto mês de vida. Este prazo pode ser maior ou menor, dependendo do ritmo biológico de desenvolvimento do bebé. A altura de nascimento dos primeiros dentes é influenciada pelos genes. Como tal, caso os dentes nasçam mais tarde, não quer dizer que o desenvolvimento do bebé esteja atrasado.

Novidades Vertbaudet
Aproveite os melhores preços em roupas para pré-mamãs, bebés e crianças, brinquedos, puericultura e muito mais! Espreite já esta oportunidade.

Normalmente, os incisivos centrais inferiores são os primeiros dentes a nascer. Seguidamente, nascem os incisivos centrais superiores e os segundos incisivos.

Por volta do primeiro ano de vida, o bebé terá entre 6 a 8 dentes. Os molares começam a nascer aos 15 meses, aproximadamente, e até aos 20 meses surgem os caninos. Os segundos molares são os últimos e nascem entre os 2 os 3 anos.

A primeira dentição, ou a dentição de leite, é constituída por 20 dentes e costuma estar completamente formada entre os 2 e os 3 anos de vida do bebé.

Que sintomas provocam os dentes a nascer?


dentes a nascer sintomas

Os primeiros sintomas podem começar 1 ou 2 meses antes do primeiro dente nascer.

Os dentes a nascer provocam sintomas que podem variar de bebé para bebé. Parte dos bebés perdem o apetite, choram e babam-se muito. Outros, apenas sentem um pequeno desconforto gengival.

1. Gengiva inchada e sensível

Durante o nascimento dos dentes, a gengiva é a parte que mais sofre. Morder tudo o que apanha é um ato instintivo do bebé para aliviar a gengiva.

Para adiminuir o desconforto gengival podem ser usados mordedores. Estes ajudam o bebé a “coçar” e a forçar a gengiva para que ela rompa mais rápido.

Para “anestesiar” as gengivas do bebé e fazer com que ele sinta menos dor, o mordedor pode ser colocado no frigorífico e dado ao bebé bem frio. Não colocar no congelador.

2. Excesso de saliva

O processo de nascimento dos dentes faz com que haja uma maior produção de saliva. E como os bebés não têm capacidade para engolir tanta saliva, ela escorre.

O excesso de saliva não é possível de diminuir. É aconselhado ter atenção à roupa do bebé de modo a que esta não fique molhada devido à escorrência da saliva.

3. Irritabilidade

O nascimento dos dentes é uma coisa nova para os bebés. Eles não compreendem todo o processo e sensações desconfortáveis que surgem na sua boca, e como tal ficam bastante incomodados e irritados.

Nesta altura, é importante dar bastante atenção ao bebé e brincar com ele para tentar distraí-lo do incómodo e da dor que os dentes a nascer provocam.

4. Necessidade de morder tudo

A necessidade de morder tudo está relacionada com o desconforto gengival.

Nesta altura, tudo o que o bebé apanhar serve de mordedor. Devem ser retirados do seu alcance todos os objetos perigosos que ele possa meter à boca.

5. Perda de apetite

Devido ao incómodo que o nascimento dos dentes provoca, o bebé sofre uma diminuição do seu apetite.

O ideal é oferecer alimentos frescos e que sejam fáceis de deglutir, sem que haja necessidade de mastigar. Para estimular o apetite podem ser oferecidos alimentos que o bebé aprecie bastante.

6. Perda de sono

A dor, o desconforto e a irritação juntamente com o sono é difícil de gerir para um bebé pequeno. Dormir torna-se complicado nesta altura.

Para contornar este problema, ajuda proporcionar o maior conforto possível ao bebé na hora de dormir. Dar colo, embalar e proporcionar um ambiente tranquilo e confortável para uma boa noite de sono.

7. Carência

Devido a todos os sintomas anteriores, é normal que o bebé fique mais carente e necessitado de atenção.

É bom que, em alguns momentos, como na hora de dormir, na hora do banho e em outros momentos íntimos, seja dado carinho e amor para transmitir conforto e segurança ao bebé.

Febre e diarreia


dentes a nascer febre e diarreia

Grande parte dos pediatras discorda que os dentes a nascer provocam febre e diarreia. No entanto, muitos pais afirmam que o seu bebé teve febre e/ou diarreia durante o período do nascimento dos dentes.

Os médicos indicam que, caso haja um aumento da temperatura corporal, tal não deverá ultrapassar os 38ºC. Para ajudar a temperatura a baixar, um banho morno e manter o bebé pouco agasalhado são duas medidas úteis a tomar.

Caso ocorram episódios de diarreia, o ideal é hidratar bem o bebé, para evitar desidratação.

A higiene dos primeiros dentes


dentes a nascer e higiene

Há pediatras que defendem que a higiene oral do bebé deve ser realizada desde o seu nascimento. A partir do momento em que nasce o primeiro dente, deve ser feita a higienização dentária.

Para fazer a higiene oral, pode ser usada uma compressa ou um dedal de silicone próprio para os bebés, e um gel dental sem flúor. Todo este material pode ser comprado em farmácias.

A higienização deve ser feita em toda a boca e não apenas nos dentes. O ato de esfregar as gengivas com a compressa ou o dedal ajudam a aliviar o desconforto associado ao nascimento dos dentes.

Novidades Vertbaudet: roupinhas pré-mamã, bebé e criança aos melhores preços. Veja tudo aqui!

Veja também:

Ler mais
Isabel Silva Isabel Silva

Isabel Silva é enfermeira por paixão, licenciada pela Escola Superior de Enfermagem do Porto. Sempre quis seguir a área da saúde e acredita que a informação é uma ferramenta essencial para a saúde da população, e que cabe aos profissionais de saúde transmiti-la de forma relevante e fidedigna para que cada indivíduo seja capaz de tomar decisões importantes relativamente à sua saúde e ao seu bem-estar.