Células estaminais: banco público ou privado?

Células estaminais: banco público ou privado?

Temos as respostas para as suas dúvidas.

As células estaminais tratam dois grupos de doenças: as neoplasias do sangue, como leucemias, e as genéticas. São vistas como um seguro de vida. Será assim?

As células estaminais estão presentes no cordão umbilical e podem ser usadas como terapêutica de algumas doenças, como linfomas, leucemias, doenças genéticas, do sistema imunitário e outras doenças raras. Para poder usar as células estaminais é necessário que estas sejam recolhidas no nascimento. Hoje em dia, essa recolha pode ser feita por bancos privados ou pelo banco público. É aqui que estala a polémica. 

Qual é a melhor opção: público ou privado?


Em muitos países, os bancos públicos e privados de preservação de células estaminais completam-se, precisamente, porque são diferentes. Para perceber melhor as diferenças, vamos por pontos.


1. Nos bancos privados são armazenadas amostras de sangue do cordão umbilical (SCU) para utilização autóloga (no próprio) ou alogénica relacionada (em familiares). Nos bancos públicos, as amostras de SCU são doadas para serem usadas em transplantes alogénicos, ou seja, por uma pessoa diferente do dador.

2. Assim, no banco público, as células estaminais não ficam apenas guardadas para o dador. Podem ser usadas por qualquer pessoa, inclusive outros doentes compatíveis, em Portugal ou na Europa, ou mesmo para investigação cientifica. Nos bancos privados, as células só podem ser usados pelo dador ou familiar.

3. Pelo facto de ter as amostras guardadas num banco privado, não quer dizer que não possa usar a células estaminais preservadas pelo banco público, se forem compatíveis.

4. A probabilidade de encontrar um dador compatível fora da família é de 0,01%, contudo, a probabilidade de um irmão ser compatível é de 25%. Nos casos de compatibilidade, há sempre a possibilidade de uns transplante de medula entre irmão, por exemplo. 

5. O tipo de transplante (alogénico ou autólogo) depende da doença a tratar. Porém, segundo várias fontes, apenas se conhecem três casos de sucesso de transplantes de células estaminais autólogos (no próprio). 

6. As amostras de células estaminais no banco público passam por uma seleção mais apertada pelo que, segundo o CNECV, são de qualidade superior. Isto pode estar relacionado com o facto de os bancos públicos guardarem, apenas, um número limitado de amostras, optando pelas melhores.

7. Não há estudos suficientes que garantam a boa conservação das células estaminais ao fim de mais de vinte anos de preservação. Porém, é certo que ninguém sabe o dia de amanhã e, até lá, a medicina pode evoluir.

8. Até ao momento, as doenças da infância que podem ser tratadas são raras e, mesmo nestas, o recurso às células estaminais é sempre o último recurso.

9. A conservação de células estaminais, no banco público, é gratuita. Nos bancos privados, envolve custos que vão dos 895€ aos 2400€, dependendo do pacote escolhido.

10. De acordo com informação do Centro de Histocompatibilidade do Norte, o banco público apenas tem parceria com o Hospital de São João, a Maternidade Júlio Dinis e o Hospital Pedro Hispano, todos no Porto. É necessário que a grávida seja acompanhada, pelo menos numa consulta, nestes hospitais, assim como o parto terá que ser num deles.

Por fim, antes de tomar uma decisão leia este estudo da CNECV, fale com o seu médico de família, o seu ginecologista, um amigo que trabalhe na área da ciência, procure casos reais e tente saber o mais  possível sobre as células estaminais, a sua aplicação e eficácia. 


Veja também: