Tudo o que precisa saber sobre o astigmatismo

O astigmatismo é um problema visual que afeta cerca de 60% dos indivíduos adultos. A perda de qualidade visual é facilmente detetável, o que facilita o seu tratamento.

Tudo o que precisa saber sobre o astigmatismo
Milhares de pessoas sofrem de problemas visuais.

Muitas pessoas têm problemas visuais com os quais vivem diariamente, e os quais dificultam as sua tarefas quotidianas. Entre eles está o astigmatismo.

A sua incidência varia com a idade, sendo que é um problema bastante frequente nos primeiros meses de vida (aproximadamente 20%), diminuindo para cerca de 5% na idade escolar e nos jovens adultos atinge perto de 60% dos indivíduos.

Estima-se que, em Portugal, aproximadamente 20% das crianças e 50% dos adultos sofrem de erros refratários, incluindo o astigmatismo.

O que é o astigmatismo?


mulher com astigmatismo

O astigmatismo consiste num erro refractivo. Por outras palavras, é uma alteração na fisionomia ocular que interefere na maneira como as imagens se formam e são transmitidas ao cérebro.

Plano de Saúde Grátis
Cuide da sua saúde. Obtenha consultas de clínica geral, medicina dentária e especialidade médicas gratuitas.Peça aqui o seu plano grátis.

É um problema ocular muito comum, e corresponde a aproximadamente 13% de todos os erros refrativos. Outros erros refrativos também muito comuns são a miopia e a hipermetropia.

Este problema surge devido a uma alteração da curvatura da córnea, a camada mais anterior dos olhos. A córnea devia ser perfeitamente convexa mas, ao invés disso, apresenta-se irregular, ou seja, com umas zonas mais elevadas do que outras. Esta alteração faz com que, quando as imagens são projetadas na retina, são distorcidas ao passar pela córnea. Isto faz com que elas surjam desfocadas.

Como se manifesta?


fortes dores de cabeca

A presença deste problema manifesta-se através da diminuição da qualidade da visão, ou visão turva. Em crianças pequenas, pode passar despercebido, principalmente se apenas um dos olhos estiver afetado.

As crianças podem manifestar cansaço, dor de cabeça, diminuição do seu rendimento escolar e tendem a aproximar-se demasiado da televisão. No entanto, em grande parte dos casos, isto não acontece. Por este motivo, é essencial realizar um rastreio oftalmológico por volta dos 3 anos de idade. Este rastreio permitirá avaliar a presença de erros refractivos e proceder à sua correção, se tal for necessário.

Os adultos mais facilmente percebem a alteração ma sua visão e verbalizam a dificuldade visual que têm, pelo que é mais fácil detetar o problema. O astigmatismo afeta a visão ao perto e ao longe.

Quais são as causas?


A causa do astigmatismo não é conhecida. Geralmente, o indivíduo nasce com astigmatismo e está quase sempre associado a hipermetropia ou miopia.

A sua origem é genética embora, em alguns casos, possa aparecer após um trauma ou cirurgia ocular.

Como se diagnostica?


diagnostico oftalmologico

O diagnóstico do astigmatismo é realizado numa consulta de oftalmologia. Existe uma grande variedade de  equipamentos que permitem detetar e quantificar rapida e eficientemente esta anomalia, tanto em crianças como em indivíduos adultos.

Nesta consulta de oftalmologia, é avaliado todo o globo ocular com o objetivo de estudar as suas características e descartar causas possíveis do problema assim como de outras doenças oculares.

Como se trata?


As manifestações mais ligeiras do astigmatismo que não interferem significativamente na visão, não têm necessidade de tratamento.

Quando o problema é mais grave, afetando a qualidade da visão, é necessário corrigi-lo recorrendo à utilização de óculos, lentes de contacto ou cirurgia refrativa.

Óculos

usar oculos com astigmatismo

Esta é a solução ideal para crianças até aos 15 anos de idade. Em indivíduos com idade superior a 40 anos, normalmente é necessário utilizar um tipo de lente que corrija tanto o astigmatismo como os problemas em ver ao perto. Essas lentes são chamadas de “progressivas” uma vez que possuem diferentes graduações na sua superfície.

Lentes de contacto

lentes de contato

As lentes de contacto podem ser utilizadas para corrigir o astigmatismo desde que não existam contraindicações como alergia às mesmas, falta de lágrimas, exposição a ambientes com fumo e muito secos. A utilização de lentes de contacto obriga a que haja higiene, disciplina e rigor e é fundamental um acompanhamento médico que detete precocemente anomalias que possam advir da sua utilização.

Existem diversos tipos de lentes de contacto e a sua seleção é feita mediante avaliação médica.

A utilização de óculos e de lentes de contacto não curam o astigmatismo, mas compensam o erro refractivo provocado pelo mesmo.

Cirurgia refractiva

cirurgia refractiva

Este tratamento é indicado para pessoas com mais de 18 anos e uma graduação estabilizada há mais de 12 meses. Esta cirurgia permite moldar a superfície da córnea corrigindo as irregularidades da superfície. É um procedimento simples, realizado sob o efeito de anestesia local durando cerca de 15 a 20 minutos.

Esta cirurgia permite recuperar uma visão normal em menos de 24 horas. Mesmo perante a presença de astigmatismo associado a miopia ou hipermetropia, a cirurgia permite resultados seguros, fiáveis e rápidos.

Lente intra-ocular

lente intra-ocular

A colocação de uma lente dentro do globo ocular é uma alternativa à cirurgia a laser. Consiste na colocação de uma lente dentro do olho que permite compensar o astigmatismo. O efeito é semelhante ao que se obtém com as lentes de contacto só que de forma permanente.

Os problemas oftálmicos são muito comuns atualmente e podem facilmente afetar a qualidade de vida dos individuos afetados. Se acha que está a perder qualidade de visão ou sofre de astigmatismo o ideal é consultar um médico oftalmologista.

Cuide da sua saúde. Consiga aqui consultas de clínica geral, medicina dentária e especialidade médica gratuitas!

Veja também:

Ler mais
Isabel Silva Isabel Silva

Isabel Silva é enfermeira por paixão, licenciada pela Escola Superior de Enfermagem do Porto. Sempre quis seguir a área da saúde e acredita que a informação é uma ferramenta essencial para a saúde da população, e que cabe aos profissionais de saúde transmiti-la de forma relevante e fidedigna para que cada indivíduo seja capaz de tomar decisões importantes relativamente à sua saúde e ao seu bem-estar.