Ardor vaginal: o que fazer quando se torna um problema?

Todas as mulheres experienciam desconfortos vaginais em algum momento da vida. Entre os sintomas mais comuns está o ardor vaginal, podendo este sintoma afetar seriamente a qualidade de vida. A vida íntima pode ser particularmente afetada pois as relações sexuais podem tornar-se muito desconfortáveis e até mesmo dolorosas.

Ardor vaginal: o que fazer quando se torna um problema?
Conheça quais as causas do ardor vaginal.

A sensação de ardor vaginal pode ter várias origens, sendo geralmente um sinal de uma irritação ou infeção.

Por norma manifesta-se através de dor e sensação de queimação na vagina. A dor pode ser sentida até à vulva e estes sintomas podem ainda ser acompanhados de prurido (comichão), corrimento, vermelhidão, irritação e odores desagradáveis.

Este sintoma de ardor vaginal pode ser causado por:

  • Vaginose bacteriana ( infecção vaginal causada por bactérias);
  • Candidíase (infeção causada por fungos, particularmente Candida albicans);
  • Higiene íntima com produtos não adequados com detergentes fortes, loções, sprays vaginais, banhos de espuma, etc. Este tipo de produtos contém frequentemente agentes irritantes e alergénios que podem causar sensação de ardor vaginal pouco tempo depois de serem aplicados;
  • Menopausa: a falta de estrogénios provoca diminuição da espessura do tecido vaginal, e perda de lubrificação necessária para relações sexuais não dolorosas. Isto pode causar fricção e inflamação pois o tecido deixa de ser tão elástico e espesso como seria com níveis de estrogénio mais elevados;
  • Tanto a falta de higiene como o excesso podem danificar a camada protetora da pele e abrir espaços para microrganismo, irritantes e alergénios. Usar sabão regular ou detergentes fortes podem remover a superfície da barreira da pele, causando inflamação e irritação. É essencial utilizar produtos adaptados à higiene íntima;
  • Alterações no valor do pH da vagina. Isto pode ser causado por muitos fatores, incluindo doenças, medicação, sabões agressivos e detergentes;
  • Antibióticos e antimicóticos (é importante repor a flora microbiana aquando da toma de um antibiótico de forma a prevenir este sintoma);
  • A diabetes pode também ser uma causa de ardor vaginal);
  • Roupa interior sintética e roupa apertada;
  • Irritação causada por preservativos, espermicidas, lubrificantes e até mesmo esperma.

 

O QUE FAZER QUANDO SENTIR O ARDOR VAGINAL?


ginecologista

1. Se suspeita que o seu ardor pode estar relacionado com um produto que utilizou recentemente

Deve lavar a área com água abundante o mais depressa possível para remover os resíduos do produto. Após isso, deve usar um produto suave e natural de modo a proporcionar alívio imediato. Para prevenir este tipo de problemas, escolha produtos naturais que não contenham químicos agressivos, fragrâncias ou corantes.

2. Se está com ardor vaginal devido a secura

Esta é uma situação comum e perfeitamente normal. Fale com o seu ginecologista sobre a solução adequada. As suas opções incluem cremes à base de estrogénios, hidratantes vaginais e lubrificantes. Os hidratantes têm o objetivo de proporcionar alívio mais prolongado, enquanto os lubrificantes são aplicados antes das relações sexuais e proporcionam um alívio de curta duração.

3. Se tem presentes outros sintomas como corrimento, odor ou dor

É possível que tenha uma infeção fúngica ou bacteriana. Deve consultar o ginecologista e cumprir o tratamento prescrito por este.

COMO PREVENIR O ARDOR VAGINAL?


uso de pensos higienicos

É possível evitar a ocorrência de ardores vaginais. Para isso, as mulheres devem realizar sua higiene íntima com um líquido de pH adaptado, usar roupa íntima de algodão e evitar vestir calças apertadas todos os dias.

Em caso de secura, é importante hidratar antes de ter relações sexuais, uma lubrificação suficiente irá prevenir feridas, fricção e relações dolorosas.

Uma outra medida preventiva útil é aquando da menstruação, mudar de pensos higiénicos e tampões a cada 3, 4 horas e, além disso, evitar zonas de banho públicas, como piscinas e banheiras de spas.

Veja também:

Cátia Rocha Cátia Rocha

Cátia Rocha é farmacêutica. Como apaixonada pela profissão, acredita na importância da educação para a saúde e num papel interventivo dos profissionais de modo a transmitir conhecimentos que considera importantes e fundamentais para o bem-estar da população. É Mestre em Ciências Farmacêuticas pelo Instituto Superior de Ciências da Saúde do Norte e exerce atualmente o cargo de farmacêutica na Farmácia Agra.