Alergia à proteína do leite de vaca: tudo o que precisa de saber

A alergia à proteína do leite de vaca acontece quando o sistema imunológico rejeita as proteínas do leite, provocando sintomas graves. Saiba tudo aqui.

Alergia à proteína do leite de vaca: tudo o que precisa de saber
Fique a conhecer todos os pormenores sobre este tipo de alergia alimentar.

Segundo a Organização Mundial de Alergias (OMA), as alergias alimentares são definidas como reacções de hipersensibilidade iniciadas por mecanismos imunológicos específicos.

A alergia à proteína do leite de vaca é um tipo de alergia que tem vindo a aumentar a sua ocorrência em todo o mundo.

De acordo com a Sociedade Europeia de Gastroenterologia, Hepatologia e Nutrição Pediátrica, Estima-se que 2 a 3 % das crianças com idade inferior a 3 anos possuam alergia à proteína do leite de vaca. 

Afinal, o que é a alergia à proteína do leite de vaca?


alergia a proteína do leite da vaca

A alergia à proteína do leite de vaca é uma doença complexa e talvez pouco compreendida, que suscita confusões por parte de quem a desconhece.

Troque uma caipirinha por uma ida ao ginásio
Treine no Solinca por apenas 3,99€ por semana e volte a ficar em forma. Aproveite já!

Define-se como uma reação de hipersensibilidade ao leite de vaca, iniciada por mecanismo imunitário. Dependendo da mediação da reação, a alergia é mais facilmente identificada.

As principais proteínas implicadas na resposta alérgica são as caseínas e as proteínas do soro, ou seja, os componentes proteicos maioritários do leite de vaca.

Esta alergia acorre principalmente durante a infância, uma vez que é a primeira proteína com a qual os lactentes, com ou sem aleitamento materno, contactam.

Quais as causas desta alergia?


vacina e alergia à proteína do leite da vaca

1. Genética

Familiares de pessoas com este problema têm cerca de 75% de probabilidade de desenvolvê-lo também. Contudo, existem crianças que o desenvolvem sem historia familiar relevante.

2.  Higiene

Os hábitos de limpeza, vacinas a antibióticos tornam as pessoas mais capazes de combater infeções, o que vai alterar o sistema de defesa do organismo e as hipóteses de desenvolver este tipo de alergia aumenta.

3. Contacto precoce com as proteínas do leite

Quando o bebé nasce, o seu organismo ainda não está totalmente preparado para receber todos os alimentos. Antes disso, tem que se habituar a fazer a digestão e a defender-se de substâncias nocivas.

À nascença, o alimento ideal para o bebé é o leite materno. É um alimento nutricionalmente completo, rico em enzimas e anticorpos que vão ajudar o bebé a proteger-se mais facilmente.

Quando é introduzido o leite de vaca nos primeiros dias de vida, a probabilidade de desenvolver alergia à proteína do leite de vaca é maior.

Como o sistema digestivo ainda é imaturo, as proteínas do leite são absorvidas por inteiro, o que faz com que sejam confundidas com algo nocivo para o organismo. É a partir daqui que se vai desencadear a alergia. 

Sinais e sintomas sugestivos da alergia


dificuldade na digestão de leite em alergia à proteína do leite da vaca

Em lactentes alimentados com fórmulas lácteas industriais, os sintomas podem aparecer no primeiro mês de idade.

No entanto, dependendo do tipo de reação, os mesmos podem demorar apenas minutos a aparecer, mas também podem demorar horas ou dias.

Digestivos (cerca de 50 a 60% dos casos)

  • Dificuldade em engolir;
  • Sensação de alimento parado na garganta;
  • Dificuldade de digestão;
  • Falta de apetite e recusa alimentar;
  • Saciedade com pouca quantidade de alimento;
  • Regurgitação frequente;
  • Vómitos;
  • Cólicas intensas;
  • Diarreia;
  • Obstipação.

Respiratórios (cerca de 20 a 30% dos casos)

  • Obstrução nasal;
  • Chiado;
  • Respiração difícil;
  • Tosse.

Cutâneos (cerca de 50 a70% dos casos)

  • Manchas vermelhas na pele;
  • Eczema atópico ou dermatite atópica;
  • Comichão na pele;
  • Inchaço de lábios e pálpebras.

Gerais

  • Baixo ganho de peso, crescimento e desenvolvimento;
  • Anafilaxia;
  • Síndrome de enterocolite causada por proteína alimentar.

Todos os sintomas descritos também podem estar associados a outros problemas de saúde, e por isso não são exclusivos da alergia à proteína do leite de vaca.

O diagnóstico do problema


Entre 1 a 17% das crianças com menos de 3 anos de idade apresentam sintomas sugestivos deste tipo de alergia. Contudo, apenas são diagnosticados afirmativamente cerca de 2 a 3% das crianças.

É muito importante fazer-se o diagnóstico da alergia à proteína do leite de vaca, uma vez que existe uma grande discrepância entre os sintomas descritos da alergia e a confirmação científica do problema.

Atualmente, o método de referência para o diagnóstico é a prova oral.

O melhor tratamento


Não existe cura para este tipo de alergia.

O único tratamento que parece ser mais eficaz é a eliminação das proteínas do leite de vaca, seja em leite ou outros produtos lácteos.

Este tratamento parece ser o mais eficaz, mas que exige uma educação intensa e continua.

Troque uma saída à noite por uma ida ao ginásio. Inscreva-se já no Solinca por apenas 3,99€ por semana!

Veja também:

Ler mais